Ultrassonografia: definição, gravidez, realização e riscos

Ultrassonografia: definição, gravidez, realização e riscos

A ultrassonografia, baseada na emissão de ultrassons, é uma das técnicas de imagem médicas mais comuns, usada para fazer um diagnóstico.

O que é uma ultrassonografia?

O princípio da ultrassonografia é impulsionar as ondas ultrassônicas no organismo, mais precisamente na região abdominal ou pélvica: o eco retornado permite uma visualização mais ou menos precisa de vários órgãos (coração, fígado, pâncreas, rins, bexiga, gânglios, ligamentos) em uma tela de vídeo.Ele é frequentemente usado para diagnosticar distúrbios ou patologias desses órgãos, mas também é utilizado durante certos procedimentos cirúrgicos (ultrassom intraoperatório) para controlar a evolução de uma patologia, a eficácia de um tratamento, etc.

Ultrassonografia: como é feito o exame?

Dependendo do órgão a ser examinado, pode ser necessário ficar em jejum (ultrassonografia da vesícula biliar e fígado). Também pode ser solicitado a remoção de joias (sem colar para um ultrassom de mama) e não deve ser aplicado nada sobre a pele antes do exame (perfume, creme cosmético).A ultrassonografia geralmente é feita deitado de costas, mais ou menos despida, dependendo da área a ser explorada: na maioria dos casos, um gel especial, que facilita a passagem do ultrassom é aplicado antes de passar a sonda na pele.

Leia também
Descubra o efeito surpreendente do leite com Coca-Cola

No entanto, em alguns casos, a sonda da ultrassonografia deve ser introduzida dentro do corpo para ter imagens de melhor qualidade: ela pode ser inserida na vagina (ultrassom endovaginal) para ver precisamente o útero e os ovários, por exemplo, mas também no reto (mais comum em homens, para controlar o estado da próstata). A duração do exame varia de acordo com os órgãos a serem examinados: em geral, uma ultrassonografia é bastante rápida, cerca de dez minutos são suficientes, em muitos casos.

 

Ultrassonografia: quais são os riscos para a saúde?

A ultrassonografia não apresenta riscos conhecidos à saúde. Simplesmente evitamos usar o ultrassom com muita frequência, durante a gravidez, por precaução: sabemos que exposições curtas são seguras para o feto, mas ninguém conhece os efeitos da alta exposição.Quanto às imagens obtidas pelo ultrassom, elas podem revelar distúrbios completamente benignos (tumores benignos) ou mais graves (câncer de fígado, câncer de mama, malformações fetais). Exames complementares são, às vezes, necessários para refinar o diagnóstico (coleta e análise de um tumor) e estabelecer um tratamento.

Danielle Pereira
Sem Internet
Verifique suas configurações