Estados Unidos: as incríveis imagens de um gigantesco tsunami de gelo

Estados Unidos: as incríveis imagens de um gigantesco tsunami de gelo

O inverno não está se deixando passar despercebido ao longo da região dos Grandes Lagos. O lago Erie foi recentemente palco de um impressionante "tsunami de gelo".

Espetaculares e indubitáveis, os tsunamis de gelo chamam a atenção dos pesquisadores desde os anos 1820. Esse fenômeno se caracteriza por um impressionante afluxo de gelo vindo do oceano, causado por correntes oceânicas, diferenças de temperaturas, ou ventos poderosos, que empurram o gelo para a terra firme com alta velocidade.

12 metros de gelo

Recentemente, o habitantes das margens do lago Erie foram testemunhas de um tsunami de gelo de 12 metros de altura de completo gelo. Desde domingo, rajadas de vento acertam a região dos Grandes Lagos a mais de 90 km/h, provocando apagões e atrapalhando o tráfego aéreo, causando também a aparição de montanhas de gelo, que parecem ganhar vida ao longo das rodovias.

"Nós já vimos tempestades de gelo por aqui, mas nada igual a isso" declarou Dave Schultz, residente da cidade de Hoover Beach, no estado de Nova York. "Nós nunca vimos o gelo bater em nossos muros e chegar até a entrada das nossas casas." Um vídeo filmado pelo explorador George Kourounis possibilita constatar a velocidade com que os blocos de gelo estão se movendo.

Tremor de um trem ou tempestade

Esses tsunamis de gelo (ou ivus) fascinam os cientistas desde o ano 1822, quando um naturalista (nome dado aos cientistas de modo geral) relatou o fenômeno pela primeira vez. A partir de 1825, os pesquisadores começaram a perceber que os movimentos do gelo no lago podiam chegar a empurrar as rochas para o fundo.

Leia também
Quando tubarões atacam o submarino de uma equipe da BBC

Os ivus geralmente acontecem na primavera. O gelo começa a se romper e os ventos fazem com que ele suba pelas margens em alta velocidade, gerando um tremor sonoro que chega a ser associado com um trem ou com uma tempestade. Mudanças bruscas de temperatura podem também afetar levando o gelo a se contrair e a se dilatar, participando do movimento geral.

De Freitas Agostinho
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações