Esse teste de QI de três questões vai revelar seu nível de inteligência
Esse teste de QI de três questões vai revelar seu nível de inteligência
Leia mais

Esse teste de QI de três questões vai revelar seu nível de inteligência

Quanto você acha que é o seu grau de inteligência? Para sabê-lo, basta responder a essas três perguntas simples na aparência, mas que talvez causem alguma dificuldade.

Será que você tem um espírito lógico? Muitos testes online apareceram na internet nos últimos tempos. Esse teste pode ajudar a ver as coisas de forma ainda mais clara.

O que é um teste de QI?

Depois de muitas pesquisas sobre o que é e como pode se medir a inteligência de uma pessoa, foi criado o teste de QI que significa quociente de inteligência e funciona como uma medida padronizada, normalmente encontrada por meio de testes desenvolvidos para avaliar a inteligência de um indivíduo. Essa medida foi criada pelo francês Alfred Binet, depois de muito estudo sobre o assunto. Os primeiros registros históricos que temos sobre o quociente de inteligência vem da antiga China, do ano de 606, onde eram testamos os conhecimentos matemáticos, escrita e obras clássicas para se obter o número de inteligência.

Totalmente diferentes dos diversos testes de Q.I que são facilmente encontrados e oferecidos na internet, o verdadeiro é focado apenas no raciocínio lógico, os testes aplicados por profissionais avaliam diversos tipos de funções, como abstração, linguagem, percepção, planejamento, capacidade de execução e cálculo. Mas vale a brincadeira, né?

E será que funciona?

Porem esse tipo de medida é para lá de controversa. Já não é de hoje que muitos cientistas tentam provar que esse teste de Q.I é falho e que uma pessoa pode possuir múltiplos talentos que não podem ser comprovados apenas aplicando o teste, uma vez que a inteligência é muito ampla e difícil de se medir.

"Alguns teóricos supõem que a inteligência seja fator único. Outros entendem que há vários", explica o professor do departamento de Psicologia do campus de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) José Aparecido da Silva.

Quem está no time dos que propõem uma alternativa é o professor e psicólogo americano Howard Gardner, autor da Teoria das Inteligências Múltiplas, apresentada pela primeira vez em 1983.

Segundo Gardner, o ser humano possui não um, nem dois, mas nove tipos de inteligência, com personalidades e estudiosos que podem ser apontados como referência para cada uma delas: corporal-cinestésica (Pelé), espacial (Oscar Niemeyer), linguística (José Saramago), musical (Beethoven), lógico-matemática (Albert Einstein), interpessoal (Mahatma Gandhi), intrapessoal (Sigmund Freud), naturalista (Charles Darwin) e existencialista (Dalai Lama). Além dessas, especula-se a formulação de uma décima inteligência, a digital.

E será que dá pra trapacear?

É muito fácil burlar esses testes quando são feitos online e sem acompanhamento, já que há possibilidades de cair na tentação de pesquisar por respostas na internet. Porém, estudos ainda mostram que as memórias recentes podem ser acionadas pelo cérebro, facilitando resolver os testes. A inteligência é uma habilidade que pode ser trabalhada e exercitada, portanto, o seu Q.I. de hoje pode ser diferente do ano que vem.

Inteligentes acima da média são apenas 2%

A fórmula do QI é feita pela divisão da idade mental pela idade cronológica, sendo que esse número deve ser multiplicado por 100. Parece complicado, e na prática é difícil determinar a idade mental de uma pessoa. É para isso que servem os testes.

A professora do Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento da Universidade de Brasília (UnB) Denise de Souza Fleith afirma que as atividades propostas avaliam a capacidade de resolução de uma pessoa. Por isso, o nível das questões deve estar de acordo com a faixa etária de quem vai fazer o teste e com a cultura nacional ou local. "Não existe um teste que seja universal, que se aplique a qualquer idade. Alguns instrumentos podem ser inadequados", alerta Denise. Teste de internet (mesmo os que são pagos), então, só por diversão.

A partir de uma normalização de resultados, o QI tem um valor médio estabelecido em 100. Desse número, estipula-se um desvio padrão de 15. Ou seja, a inteligência média está nos resultados que vão de 85 a 115. É nessa faixa que estão, aproximadamente, 90% da população (os brasileiros, por exemplo, tem uma média estimada em 87, segundo Silva). Abaixo desse valor, é sinal de que pode haver algum tipo de comprometimento intelectual. Acima, estão aqueles que possuem um desenvolvimento cognitivo mais avançado. Se o resultador der mais de 130, o indivíduo pode ser considerado um superdotado - ou um gênio. Mas eles representam apenas 2% de todo o mundo.

A aplicação dos testes geralmente tem um objetivo específico e não é feita de uma hora para outra. Sua realização geralmente busca um diagnóstico clínico para questões de comportamento e conduta, incapacidade cognitiva, problemas de desempenho ou retardo mental. Eles ainda podem ser úteis na hora de decidir pela aceleração ou não de um aluno - se ele está apto a pular de série ou entrar precocemente na escola ou universidade - e até em uma seleção de emprego.

Mas a professora frisa que o QI não é a única ferramenta a que se recorre nesses casos: ele é apenas um dos subsídios para que a decisão seja tomada, ou para que o diagnóstico seja concluído. É por isso que a análise deve ser feita apenas por profissionais habilitados, como psicólogos, por exemplo.

Falta assistência para pessoas com altas habilidades

No Brasil, a principal utilização dos testes de QI é no diagnóstico de déficit intelectual. Para essas pessoas, o País conta com rede de escolas especiais, sedes da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e políticas de educação inclusiva (que nem por isso são totalmente eficientes). Mas o professor José Aparecido da Silva critica a preferência histórica dos governos em focar os investimentos, além da educação média, no ensino dos "excepcionais para baixo".

"No Brasil, pensam que o talentoso pode aprender sozinho, mas é ledo engano. Tal como a criança com QI baixo, aquelas que têm QI muito alto precisam ser ensinadas a usar esse talento", observa.

Hoje, o Ministério da Educação (MEC) informa que existem 27 Núcleos de Atividades de Altas Habilidades/Superdotação (NAAH/S), um para cada unidade federativa. Eles oferecem, no contraturno escolar, atividades que estimulem as aptidões e os temas de interesse dos alunos identificados com altas habilidades ou superdotação. Até 2014, o MEC espera implementar 42 mil salas desse tipo, atendendo 90% dos municípios brasileiros, como forma de fortalecer a articulação da educação especial com o ensino regular.

Vamos ao teste!

Questão 1: Um taco de baseball e uma bola custam R$ 1,10. O taco custa 1 real a mais que a bola. Quanto custa a bola?

Questão 2: Se levam 5 minutos para 5 máquinas fabricarem 5 objetos, quanto tempo é preciso para que 100 máquinas fabriquem 100 objetos?

Questão 3: Em um lago, há várias vitória-régias. A cada dia, elas dobram de tamanho. Se é necessário 48 horas para que elas cubram todo o lago, quanto tempo seria necessário para que elas cubram apenas a metade do lago?

E aí? Você acha que tem boas respostas? Ou você nem sabe aonde vai? Veja aqui as respostas.

Resposta 1: Se a bola custa X e o bastão custa 1 real a mais, o custo é de X + 1 real. Por consequência, o bastão + bola = x + (x+1)= 1,10. Isso significa que 2x +1 = 1,1 e 2x=0,1 e x=0,05. A resposta certa é: cinco centavos.

Resposta 2: Se 5 máquinas podem fabricar cinco objetos em cinco minutos, uma máquina fará um objeto em cinco minutos. Logo, se 100 máquinas fabricam cada uma um objeto, elas podem fazer 100 em cinco minutos. A resposta correta: 5 minutos.

Resposta 3: Se elas cobrem inteiramente o lago no 48o dia e que o tamanho dobra, é preciso um dia a menos para que elas recubram a metade do lado. No dia 47, o lago está pela metade. A resposta correta é: 47 dias.

Escrito por De Freitas Agostinho
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações