Síndrome de Kawasaki: definição, sequelas e tratamentos. É contagiosa?

Síndrome de Kawasaki: definição, sequelas e tratamentos. É contagiosa?

A síndrome de Kawasaki é uma doença infantil que afeta os vasos de pequeno e médio porte, podendo causar aneurismas coronários em alguns pacientes. Esta patologia afeta principalmente crianças pequenas com menos de 5 anos de idade.

Definição da síndrome de Kawasaki

A síndrome de Kawasaki é uma vasculite febril aguda que pode causar, se não tratada, sequelas cardiovasculares que, em casos raros, podem ser fatais. Trata-se da doença cardíaca adquirida mais comum em crianças de países industrializados.

Leia também
O maior javali do mundo: o Sus Scrofa Attila é um gigante das florestas

Geralmente a doença de Kawasaki enfraquece partes das paredes arteriais coronarianas e pode, desse modo, causar aneurismas. Coágulos de sangue podem se formar nas partes enfraquecidas e provocar um ataque cardíaco. Em outros pacientes, a doença causa miocardite (inflamação do músculo cardíaco) ou pericardite (inflamação da bolsa que envolve o coração).

A síndrome de Kawasaki está presente em todo o mundo, entretanto afeta mais as populações asiáticas e, mais particularmente, crianças japonesas. Geralmente os meninos são mais afetados do que as meninas.

Sintomas da síndrome de Kawasaki

Uma febre prolongada é o primeiro sintoma que surge em um caso de síndrome de Kawasaki. A febre geralmente ocorre de forma aguda com uma temperatura acima de 38°C e persiste, pelo menos, por 5 dias sem que antipiréticos, como o paracetamol, ajudem a baixá-la.

Além da febre, existem cinco critérios diagnósticos para a doença de Kawasaki. O diagnóstico é feito se 4 dos 5 sintomas abaixo estiverem associados à febre:

- Conjuntivite bilateral;

- Adenopatia cervical (aumento do volume dos gânglios);

- Uma erupção cutânea (sob a forma de pequenas manchas que emergem na pele, geralmente localizadas nas nádegas);

- Afetação orofaríngea (eritema dos lábios, ressecamento, rachaduras ou sangramento com uma língua avermelhada);

- Comprometimentos nos pés e nas mãos (eritema na palma das mãos e plantas dos pés, edema).

Observou-se também que as crianças com síndrome de Kawasaki geralmente são irritáveis e apresentam um estado geral ruim.

Complicações cardíacas ocorrem em 25 a 30% dos pacientes não tratados, e aneurismas coronários representam as complicações mais graves.

O que causa a síndrome de Kawasaki?

As causas exatas da doença de Kawasaki são desconhecidas. Pesquisadores, no entanto, pendem para a hipótese de uma infecção viral, pois eles conseguiram observar picos sazonais da doença. O fato de que há poucos casos após a primeira infância também sugere que o agente infeccioso da síndrome de Kawasaki é imunizante.

Tratamento da síndrome de Kawasaki

Quando o diagnóstico de síndrome de Kawasaki é feito, o paciente deve ser hospitalizado e tratado rapidamente. O tratamento é baseado na combinação de dois medicamentos: aspirina e uma dose de imunoglobulina intravenosa. Esses medicamentos ajudam a reduzir a febre, erupções cutâneas, inflamações e prevenir a formação de coágulos sanguíneos. A maioria dos pacientes responde bem ao tratamento quando iniciado cedo.

Os pacientes com síndrome de Kawasaki também devem ser monitorados por ecografia cardíaca e eletrocardiograma para que os médicos possam detectar arritmias cardíacas, disfunções ventriculares, dilatações e aneurismas coronários.

• Marcos Silva