Síndrome de Amok: definição e tratamento. Tem cura?

Síndrome de Amok: definição e tratamento. Tem cura?

A síndrome de Amok é uma doença psiquiátrica que designa uma forma de loucura assassina observada em alguns países asiáticos, principalmente na Malásia. Durante esta crise de loucura assassina, a pessoa afetada corre pela rua atacando fisicamente a todos os que estão em seu caminho.

O que é a Síndrome de Amok?

A síndrome de Amok é uma doença psiquiátrica que designa uma forma de loucura assassina na qual um homem pode subitamente mergulhar. Por extensão, o termo também se refere ao comportamento específico desta pessoa, que de repente se lança em uma corrida frenética e mortal ferindo, matando ou insultando todas as pessoas que cruzem seu caminho.

Leia também
O maior javali do mundo: o Sus Scrofa Attila é um gigante das florestas

Quando ele "corre o Amok" (“run amok” em inglês), o paciente encontra-se em um estado alterado, desconectado da realidade. Na cultura da Malásia, fala-se que a pessoa está possuída por um espírito vingador. A síndrome de Amok é considerada uma forma de suicídio, pois a pessoa acaba sendo morta durante sua corrida louca na maior parte dos casos.

A síndrome de Amok é uma patologia imprevisível que afeta apenas homens. A pessoa atingida pela síndrome não tem, necessariamente, predisposições psiquiátricas.

O escritor Stefan Zweig descreveu o comportamento de um homem subitamente possuído pela síndrome de Amok em seu livro Amok.

O que causa a síndrome de Amok?

Embora no Ocidente a síndrome de Amok seja considerada uma doença psiquiátrica, nas culturas asiáticas ela é vista como um feitiço. O corredor da Síndrome de Amok seria possuído por espíritos vingadores que o teriam enfeitiçado para puní-lo.

De acordo com etnólogos e etnopsiquiatras que puderam estudar o fenômeno nos países asiáticos, a síndrome de Amok muitas vezes é desencadeada por grandes frustrações. Um homem que sofreu humilhações, derrotas ou desonras públicas pode, assim, com o peso da sociedade e das tradições, ser afetado por essa forma de loucura furiosa feita de vingança e autodestruição.

Etnopsiquiatria para entender melhor a síndrome de Amok

Na Philosophie Magazine, o psicólogo e ensaísta Tobie Nathan escreveu um artigo em 2013 sobre a síndrome de Amok. No artigo, ele faz um paralelo entre a síndrome de Amok e os atiradores loucos que surgem nos Estados Unidos, adotando um olhar etnopsiquiátrico. "No pensamento da Malásia, o kriss, uma arma ritual passada de pai para filho, deve receber orações, oferendas, óleo e gordura. Às vezes um dos descendentes negligencia os devidos ritos a essas divindades familiares. A arma se apossa da mão do jovem imprudente. Trata-se de uma possessão real e não uma simples loucura", afirma Tobie Nathan.

• Marcos Silva