Toxoplasmose: sintomas, tratamento e gravidez. A toxoplasmose tem cura?
Toxoplasmose: sintomas, tratamento e gravidez. A toxoplasmose tem cura?

Toxoplasmose: sintomas, tratamento e gravidez. A toxoplasmose tem cura?

A toxoplasmose é uma doença causada por um parasita. Transmitida geralmente por gatos, ela apresenta sérios riscos para mulheres grávidas.

Definição: o que é a toxoplasmose?

A toxoplasmose é uma doença provocada pela infecção de um parasita, o protozoário Toxoplasma gondii. Normalmente benigna, ela geralmente é transmitida ao homem por animais domésticos, principalmente gatos, ou pela ingestão de carne crua. Estima-se que um terço da população mundial esteja infectada.

A toxoplasmose só apresenta riscos graves para mulheres grávidas e pacientes com sistema imunológico debilitado, como pessoas com Aids ou que estejam realizando quimioterapia. No entanto, a descoberta recente de que a doença faz ratos perderem o medo instintivo de gatos está levando alguns pesquisadores a pensar que o Toxoplasma gondii poderia estar ligado, no homem, a certas doenças psiquiátricas como a esquizofrenia ou a depressão.

A toxoplasmose provoca poucos sintomas

A toxoplasmose é, na maioria dos casos, assintomática. O sistema imunológico impede a doença de se manifestar. Ainda assim, algumas pessoas podem apresentar sintomas não específicos similares aos da gripe ou da mononucleose como fadiga, gânglios inchados, dor de cabeça etc. Esses sintomas regridem progressivamente com o tempo.

Toxoplasmose e gravidez

Em caso de gravidez, no entanto, a toxoplasmose é perigosa. Mesmo não havendo nenhum risco para a gestante, a doença pode ser transmitida para o feto e provocar sequelas graves. Estima-se que cerca de uma criança em cada mil nasça com toxoplasmose congênita.

No início da gravidez, um exame sorológico é realizado a partir de uma coleta de sangue para determinar se a toxoplasmose já foi contraída antes. Neste caso, a gestante está imune à doença. Em caso de exame negativo, é necessário realizar um acompanhamento mensal durante toda a gravidez.

O risco de transmissão da toxoplasmose é mais baixo nas 16 primeiras semanas da gestação (cerca de 5%). Mas ao mesmo tempo, é durante esse período que as consequências da infecção são mais graves: morte no útero, má formação, transtornos psicomotores etc. Após a 16ª semana, o risco de transmissão é mais alto (90% no final da gravidez), mas as repercussões são bem menos graves para o feto e se limitam geralmente a uma lesão dos pigmentos da retina.

A prevenção da toxoplasmose

Para evitar contrair toxoplasmose, é recomendado às mulheres grávidas a adoção de certas precauções para não entrar em contato com o parasita. Em primeiro lugar, não tocar nas fezes de gatos. Portanto, elas devem evitar de fazer a limpeza da caixa de areia e entrar em contato com a areia, a menos que utilizem luvas.

Medidas de precaução no trato com os alimentos também devem ser tomadas. Recomenda-se lavar cuidadosamente as frutas e os legumes e preparar as carnes bem cozidas, já que a doença pode ser transmitida pela ingestão de carne crua.

Tratamento da toxoplasmose

Na maioria dos casos, nas pessoas com sistema imunológico normal, a toxoplasmose não exige nenhum tratamento. Medicamentos para tratar a infecção são usados nos casos graves ou para prevenir complicações nas pessoas que fazem parte do grupo de risco. A pirimetamina (também utilizada para tratar a malária), a sulfadiazina e a espiramicina são os principais medicamentos utilizados.

As mulheres grávidas infectadas pela toxoplasmose pela primeira vez podem receber tratamento para reduzir o risco de infecção do feto, mas ainda não se sabe muito a respeito da sua eficácia.

Escrito por Helena Barros
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações