Tetania: sintomas, crise e tratamento da espasmofilia
Tetania: sintomas, crise e tratamento da espasmofilia

Tetania: sintomas, crise e tratamento da espasmofilia

A espasmofilia é uma síndrome que agrupa diversos sintomas ligados à ansiedade. Às vezes manifesta-se por crises intensas.

O que é espasmofilia?

A espasmofilia é uma síndrome que agrupa vários sintomas ligados a um estado de ansiedade. Ela provoca hiperventilação e uma hiperexcitabilidade neuromuscular. Trata-se de é um conceito controverso que não é reconhecido em todo o mundo.

A espasmofilia manifesta-se pelo aparecimento de crises semelhantes às crises de ansiedade. Ela afeta mais mulheres do que homens, principalmente entre 15 e 45 anos.

Sintomas da espasmofilia

A espasmofilia apresenta vários sintomas relacionados à ansiedade. O primeiro é a hiperventilação, uma aceleração do ritmo respiratório. Isso leva a uma sensação de sufocamento, respiração irregular e a uma busca incessante por ar.

Há também a tetania muscular que se manifesta por formigamentos, dormência, câimbras, uma contração intensa e dolorosa que resulta em um encolhimento da mão (mão de parteiro ou sinal de Trousseau) ou do pé, assim como uma dificuldade em abrir a boca. Uma pessoa afetada geralmente sente astenia (fadiga intensa, especialmente ao acordar) física ou intelectual.

Uma crise de espasmofilia muitas vezes é intensa e é expressa de forma diferente em cada indivíduo: problemas cardíacos (taquicardia, palpitações, dores no peito), digestivos (cólicas intestinais, dores abdominais, náuseas) ou sensoriais (tremores, calafrios, suores frios).

Causas da espasmofilia

Os mecanismos da espasmofilia são bastante obscuros. Mas poderiam ser descritos como uma reação exagerada a uma situação de estresse ou ansiedade. O medo provoca o aparecimento dos sintomas que vão alimentar-se do medo. Isso é chamado de círculo vicioso.

Uma outra hipótese é que a espasmofilia é causada pela falta crônica de magnésio e de cálcio que têm um papel na contração muscular e na transmissão de impulsos nervosos. Isso explicaria a hiperexcitabilidade neuromuscular.

Também entrariam em questão, distúrbios do sono que seriam responsáveis pela astenia e distonia.

Tratamento da espasmofilia

Fazer terapia limita ou elimina a aparição de crises. A terapia mais utilizada é a terapia cognitiva comportamental.

Em caso de crise, é importante acalmar a respiração, respirando em um saco de papel ou de plástico, por exemplo. Ao mesmo tempo, é recomendável pensar em outra coisa para não alimentar o círculo vicioso.

O tratamento medicamentoso com antidepressivos também pode ajudar a reduzir a frequência das crises. É necessário, contudo, ficar atento aos efeitos colaterais e à possível dependência.

Escrito por Bruna Moura
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações