Infecção urinária: sintomas, tratamento e causas da cistite

Infecção urinária: sintomas, tratamento e causas da cistite

A cistite é uma inflamação da bexiga que, na maioria das vezes, é causada por uma bactéria. Trata-se, portanto, de uma infecção urinária.

Introdução

O que é uma cistite?

De acordo com especialistas, uma a cada duas mulheres já teve ou vai ter uma cistite. Trata-se de uma inflamação da bexiga que leva ao aparecimento de problemas no sistema urinário. A cistite pode ter várias causas. Na maioria das vezes, a inflamação é provocada por uma bactéria. Chamamos então de infecção urinária.

Uma infecção urinária também pode atacar outras partes do sistema urinário: rins, ureteres (canais que permitem a passagem da urina dos rins à bexiga), uretra (que conduz a urina para fora do corpo) ou próstata, no caso dos homens. No entanto, a cistite ainda é a forma mais frequente de infecção urinária. Ela pode atingir tanto as mulheres quanto os homens e pode ocorrer em qualquer idade, apesar de ser mais comum nas mulheres e relativamente rara nas crianças.

Fatores de risco da cistite

Certos fatores de risco podem favorecer o surgimento de uma infecção urinária. A sexualidade é um deles, assim como a gravidez. Nas mulheres grávidas, o bebê tende a fazer pressão sobre o sistema urinário e as mudanças hormonais também podem contribuir para a aparição de uma cistite.

O risco também é maior para mulheres que já passaram da menopausa, para os diabéticos, devido à alta taxa de açúcar em sua urina, e nos indivíduos que possuem alguma anomalia estrutural no sistema urinário. Além disso, o risco de cistite aumenta com a idade tanto nas mulheres quanto nos homens.

Muitas bactérias podem causar a doença

Frequentemente, a bactéria causadora é a Escherichia coli, mas pode se tratar também de outros microrganismos como Klebsiella, Proteus, Staphylococcus ou Enterococcus. Em muitos casos, é na verdade uma bactéria intestinal que colonizou acidentalmente o sistema urinário. O microrganismo passa então a proliferar nas paredes da bexiga ou provoca dano nos tecidos e uma forte reação inflamatória.

1. Infecção urinária na mulher: sintomas e causas

As mulheres, especialmente as que são sexualmente ativas, têm 50 vezes mais chance do que os homens de desenvolver a cistite, que pode ser dolorosa e recorrente em algumas.

Causas de infecção urinária na mulher

Se a infecção urinária é uma doença sobretudo feminina, isto se deve a questões anatômicas. Nas mulheres, a uretra, canal que conduz a urina para fora do corpo, é mais curta do que nos homens. Por isso, ela é mais fácil de ser percorrida pelas bactérias que se encontram na bexiga, que então proliferam e provocam a inflamação que caracteriza a cistite.

Em alguns dias, ela pode levar à aparição de vários sintomas, cuja quantidade e intensidade variam de acordo com a pessoa e com o micro-organismo causador.

Sintomas da infecção urinária

Em muitos casos, a infecção se manifesta pela aparição de ardência ao urinar, que pode ser mais ou menos intensa e que pode ser sentida no início ou após a passagem da urina.

Ela também leva a pessoa doente a urinar com frequência durante o dia inteiro, mesmo quando a bexiga não está completamente cheia. A urina geralmente é turva, escura e possui um odor desagradável. Ela também pode conter pus. Em alguns casos, o paciente sente uma pressão ou dores na parte inferior do ventre. Certas mulheres, entretanto, não apresentam nenhum sintoma.

Risco de complicações caso não haja tratamento

Se a infecção for mais grave, podem surgir sintomas como febre, calafrios, perda de apetite, astenia (diminuição da força física), perda de peso e sangue na urina. Esse quadro exige uma consulta médica com urgência. Sem tratamento, os sinais de infecção podem durar dias ou semanas e até mesmo se agravarem.

Por isso, é importante consultar um médico, já que as bactérias podem chegar até os rins onde provocam uma pielonefrite capaz de provocar danos renais. Em casos raros, o agravamento da infecção pode conduzir a uma septicemia.

Se as cistites forem recorrentes (mais de quatro vezes por ano), elas podem sugerir a existência de uma anomalia anatômica urinária ou de outro transtorno. Nesse caso, serão necessários exames completos para identificar a causa.

2. Infecção urinária no homem: sintomas e causas

Apesar de ser bem menos frequente do que na mulher, a cistite também pode surgir em homens, se manifestando através de sintomas similares.

Causas da infecção urinária nos homens

Ao contrário das mulheres, os homens estão relativamente protegidos da cistite devido a sua estrutura anatômica. Eles possuem uma uretra (canal que conduz a urina para fora do corpo) relativamente longa, que as bactérias têm mais dificuldade de percorrer. Por isso, o risco de infecção urinária nos homens é bem menor, sobretudo nos mais jovens, que raramente desenvolvem a cistite.

Quando surge, ela geralmente está ligada a uma anomalia do sistema urinário que permite que as bactérias se alojem no local. No entanto, o risco de desenvolver uma cistite aumenta para os homens com a idade devido ao aumento frequente do volume da próstata. Isso faz com que a bexiga não se esvazie completamente e que a urina fique no órgão por mais tempo, favorecendo assim a proliferação de bactérias. Os cálculos renais, que são mais frequentes nos homens, também podem levar a uma infecção urinária.

Sintomas da infecção urinária

Neste caso, os sintomas são os mesmos que as mulheres apresentam. A cistite se manifesta através de ardência ao urinar, que pode ser mais ou menos intensa e aparecer antes ou depois da passagem da urina. A infecção também provoca vontade forte de urinar mesmo quando a bexiga está vazia. O líquido geralmente é turvo e possui odor forte. Também é igualmente possível que homens não apresentem nenhum sintoma.

Nos casos mais sérios, o indivíduo pode sentir pressão ou até dores na região pélvica e fadiga. Pode ainda haver febre, calafrios, náuseas, vômitos e dores na região dos flancos ou no pênis. Todos esses sintomas representam uma manifestação mais grave da doença, que exige atenção médica com urgência. Quando não percebida a tempo, a cistite pode evoluir para outras formas de infecção mais sérias.

Complicações: tipos mais graves de infecção

Pode tratar-se de uma prostatite (uma inflamação da próstata), uma epididimite (inflamação dos epidídimos que ficam junto aos testículos) ou, mais grave ainda, uma pielonefrite que ataca os rins. Neste último caso, que se manifesta através de dores intensas na região lombar, é preciso consultar um médico com urgência.

Além da cistite, os homens também podem sofrer de outra forma de infecção urinária: a uretrite, que, como o nome indica, é uma inflamação da uretra. A condição é mais frequente do que a cistite e geralmente é causada por bactérias como o gonococo ou a clamídia, que são transmitidas sexualmente.

3. Infecção urinária na criança: sintomas e causas

A infecção urinária é uma doença relativamente frequente na criança. Mas, assim como nos adultos, as meninas são três a quatro vezes mais atingidas do que os meninos.

Desde a mais tenra idade, as crianças infelizmente não estão protegidas de infecções urinárias como a cistite. No entanto, algumas são mais sensíveis do que outras, especialmente os bebês prematuros e os que apresentam problemas de escoamento da urina. Assim como acontece com os adultos, as meninas são mais atingidas do que os meninos.

Sintomas da infecção urinária na criança

A infecção urinária pode ser mais difícil de diagnosticar nas crianças, já que elas nem sempre apresentam sintomas. Algumas não sentem nenhuma dor no ventre, nem ardência ao urinar. A urina pode parecer turva, mas esse sinal não é suficiente para confirmar uma infecção urinária, já que não significa necessariamente que está infectada. Às vezes, é a retomada de uma enurese (xixi na cama) ou ainda problemas digestivos que podem dar o alerta.

Quando a infecção é sintomática, os sinais são os mesmos que no adulto: a criança sente dor durante a micção, tem dificuldade para urinar, tem vontade constantemente, mesmo quando a bexiga não está cheia, sente dores no ventre ou nas costas e apresenta urina commau odor. A observação desses sintomas somada à constatação de uma infecção bacteriana permite confirmar o diagnóstico.

O diagnóstico nos bebês é mais difícil

Nas crianças mais jovens (com menos de dois anos), a detecção da doença é mais delicada, pois elas não necessariamente reclamam de sentir algum desconforto ou de sentir ardência ao urinar. Nesse caso, os pais devem buscar sinais mais comuns que também estejam ligados à infecção como uma febre incomum, um odor forte ou estranho da urina, falta de apetite ou ainda vômitos.

Problemas digestivos, fadiga sem explicação, aparência ruim ou perda de peso também podem ser um alerta. Ainda assim, a doença só pode ser confirmada através da constatação da presença de bactérias na urina. Se a infecção não for percebida ou se não for bem tratada, ela pode, assim como nos adultos, levar a complicações mais ou menos sérias, que vão desde pielonefrite até septicemia nos casos mais graves.

4. Infecção urinária e sangue na urina

A presença de sangue na urina, também conhecida como hematúria, é um dos sintomas possíveis da infecção urinária.

Definição: o que é hematúria?

Além da ardência e da vontade constante de urinar, a cistite pode se manifestar através de outro sintoma, que pode ser um pouco mais chocante: a presença de sangue na urina. Este costuma ser detectável a olho nu, sendo um líquido de coloração que varia de rosa claro a vermelho ao invés do amarelo habitual. Pequenos coágulos de sangue aglomerados também podem surgir.

Em escala orgânica, esse distúrbio, também conhecido como “hematúria”, se manifesta pela presença excessiva de glóbulos vermelhos na urina. Esse sintoma indica que há um sangramento no sistema urinário. Entretanto, a infecção urinária não é a única causa possível de hematúria. Ela também pode ser causada por uma lesão na uretra, na próstata, nos ureteres, nos rins ou ainda estar ligada a cálculos renais ou a um câncer.

Ou seja, uma coloração vermelha na urina não indica necessariamente uma hematúria: ela também pode sugerir a presença de mioglobina ou de hemoglobina na urina. Para determinar a origem, é preciso realizar exames que possam confirmar a presença de glóbulos vermelhos. Os testes também conseguem especificar a localização do sangramento.

5. Infecção urinária: tratamentos e antibióticos

Por ser de origem bacteriana, o tratamento contra a infecção urinária é feito com antibióticos capazes de eliminar a bactéria.

Diagnóstico da infecção urinária

Desde a aparição dos primeiros sintomas como ardência, vontade frequente de urinar e dores, é aconselhável consultar um médico para confirmar ou não a infecção urinária. Para isso, o especialista vai se basear na descrição dos sinais e no resultado de um exame de urina que será prescrito.

Chamado de “urocultura”, ele é realizado a partir de uma coleta de urina e permite identificar qual é a bactéria presente e sua concentração. Os resultados ficam prontos em um período de um a quatro dias e podem ser completados por outro exame chamado de antibiograma.

Tratamento da infecção urinária

De acordo com identificação da bactéria responsável pela infecção, o médico vai escolher o antibiótico apropriado. Pode ser um tratamento em dose única, ou seja, um medicamento que será tomado apenas uma vez, ou um tratamento mais longo, que dura de três dias a uma semana, com uma dose por dia.

O antibiótico vai permitir a eliminação rápida do agente patogênico. No entanto, os sintomas podem persistir por alguns dias após o início do tratamento, o período necessário para que a inflamação da bexiga desapareça.

Risco de resistência da bactéria

Para que o tratamento seja totalmente eficaz, é importante respeitar rigorosamente sua duração, mesmo se os sintomas já tiverem desaparecido. Caso persistam, é possível que a bactéria esteja resistindo ao antibiótico prescrito. É então necessário voltar ao médico para trocar o medicamento por outro. Durante todo o período de tratamento, é aconselhável beber água regularmente para facilitar a eliminação dos micro-organismos. Quando os sintomas desaparecerem, um novo exame de urina poderá ser prescrito para garantir que a bactéria foi eliminada. Em caso de infecção urinária mais grave, o tratamento deverá ser mais potente (uma dose mais alta) e, se necessário, complementado por analgésicos para aliviar as dores

6. Infecção urinária: como preveni-la

Muitos fatores podem favorecer as infecções urinárias, particularmente nas mulheres. Evitá-los é, portanto, uma forma de prevenir a doença.

Prevenção: como evitar uma infecção urinária?

As infecções urinárias são causadas por bactérias que se proliferam no aparelho urinário, que normalmente não contém germes. Para prevenir as cistites, é preciso então evitar qualquer atividade que possa favorecer o surgimento e desenvolvimento de bactérias nesse local.

Também se recomenda beber água regularmente e em quantidade adequada (pelo menos 1,5 litro de água por dia), mesmo sem ter sede. Isso permite aumentar o fluxo urinário e favorecer a eliminação de possíveis bactérias instaladas na bexiga. Pela mesma razão, é melhor evitar ficar apertado para ir ao banheiro por muito tempo e urinar assim que a vontade surge, esvaziando completamente a bexiga.

Uma boa higiene íntima contra a cistite

Leia também
Descubra o efeito surpreendente do leite com Coca-Cola

Ter uma boa higiene íntima é igualmente importante, especialmente para as mulheres. Sendo assim, é recomendável lavar regularmente a região íntima com produtos apropriados, ou seja, nem muito agressivos e irritantes e nem muito suaves. Entretanto, os produtos de higiene íntima perfumados são desaconselhados. Com relação às roupas íntimas, prefira o algodão e evite as peças muito justas.

Quando estiver no banheiro, procure se secar da frente para trás, pois a urina é estéril, mas as fezes são ricas em bactérias, o que pode levar à contaminação da região genital e urinária. Também é recomendável urinar após cada relação sexual para eliminar os germes que possam estar presentes e impedir que cheguem à bexiga.

Por fim, é aconselhado combater a constipação, que também pode ser um fator de risco, favorecendo a proliferação de bactérias. O consumo de suco de cranberry, ou oxicoco, também se mostrou eficaz para prevenir as infecções urinárias.

Helena Barros
Sem Internet
Verifique suas configurações