Hepatite: sintomas, tratamento, transmissão. Como se pega e tudo sobre hepatite A, B e C
Hepatite: sintomas, tratamento, transmissão. Como se pega e tudo sobre hepatite A, B e C

Hepatite: sintomas, tratamento, transmissão. Como se pega e tudo sobre hepatite A, B e C

A hepatite é uma inflamação do fígado. Distinguem-se as hepatites virais (A, B, C, D, E) das hepatites não virais (alcoólica, medicamentosa, auto-imune).

O que é uma hepatite?

A hepatite é uma inflamação do fígado, na maioria das vezes de origem viral. Fala-se de hepatite aguda, no momento da contaminação e, depois, de hepatite crônica, quando a doença persiste mais de seis meses após a infecção.

Dependendo da sua causa, a hepatite pode ser mais ou menos grave. Entre as complicações mais graves, encontram-se principalmente a hepatite fulminante (uma insuficiência grave do fígado), a fibrose, a cirrose ou o câncer de fígado.

Tipos de hepatite

Existem duas principais famílias de hepatite: as hepatites virais e as hepatites não virais.

- Hepatites virais:

Como o nome sugere, a hepatite viral é uma infecção causada por um vírus. Assim que atinge o fígado, ele infecta as células chamadas hepatócitos e lá se multiplica.

As hepatites virais se dividem em várias formas, dependendo do vírus responsável pela infecção e do seu meio de transmissão.

Hepatite A: Esta é a forma menos grave de hepatite viral. Com efeito, ela não evolui de forma crônica e, geralmente, não causa complicações. O vírus da hepatite A (VHA) é transmitido principalmente através da ingestão de água e alimentos contaminados pelas fezes de uma pessoa infectada. É comum em países com condições sanitárias precárias.

Hepatite B: Este é o tipo mais comum de hepatite. O vírus da hepatite B (VHB) é transmitido principalmente através do sangue ou de relações sexuais. Muito contagiosa, é entre 50 a 100 vezes mais infecciosa que o vírus da AIDS.

Hepatite C: a contaminação ocorre principalmente através do sangue. Em mais da metade dos casos, a hepatite C evolui para uma hepatite crônica, dos quais 20% resultaram em cirrose e, mais raramente, em câncer do fígado. O vírus da hepatite C (VHC) é um dos mais resistentes.

Hepatite D: Ela só pode ocorrer em pessoas já infectadas pelo VHB. Com efeito, a hepatite D precisa do VHB para multiplicar-se. Também compartilham o mesmo modo de transmissão.

Hepatite E: Como a hepatite A, geralmente é benigna e não evolui para uma hepatite crônica. A contaminação é via oral.

- Hepatites não virais:

As hepatites não virais geralmente são de origem tóxica. Elas são causadas pela ingestão de substâncias prejudiciais para o fígado.

Hepatite alcoólica: trata-se de uma hepatite causada pelo consumo excessivo de álcool. A toxicidade do álcool ataca as células do fígado e isso provoca a inflamação. A forma mais grave da doença é rara, mas sua evolução pode ter sérias consequências.

Hepatite medicamentosa: O abuso de alguns medicamentos com toxicidade hepática (como o paracetamol) podem levar a uma deterioração do estado do fígado.

Hepatite auto-imune: Sua origem é desconhecida. É caracterizada pela presença de autoanticorpos. Existem dois tipos: a hepatite auto-imune do tipo 1 é associada a anticorpos anti-actina e anti-nucleares enquanto a hepatite auto-imune do tipo 2 é caracterizada por anticorpos anti-LKM (liver kidney microsomes). Elas podem evoluir para uma cirrose.

Sintomas da hepatite

É impossível determinar o tipo de hepatite com base nos sintomas observados. Na verdade, qualquer que seja a sua origem, a hepatite é, na maioria das vezes, assintomática. No entanto, há sinais clínicos não específicos da doença, tais como febre, uma grande fadiga, perda de apetite, náuseas, vômitos, uma coloração escura da urina, dores abdominais ou icterícia (amarelão).

Escrito por Bruna Moura
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações