Escoliose: tratamento, cirurgia, sintomas e causas. Como tratar?
Escoliose: tratamento, cirurgia, sintomas e causas. Como tratar?

Escoliose: tratamento, cirurgia, sintomas e causas. Como tratar?

A escoliose é uma deformidade da coluna vertebral. Ela é benigna na maioria das vezes, mas pode causar sérias complicações quando se agrava. Por isso, é importante tratá-la o mais cedo possível. Saiba como reconhecer e cuidar da escoliose.

Definição: o que é escoliose?

A escoliose é uma deformidade permanente da coluna vertebral ligada a uma rotação das vértebras umas sobre as outras e nos três planos espaciais (para o alto e para baixo, direita e esquerda, para frente e para trás). A maior ocorrência da condição é durante a adolescência, seguida da infância, mas pode acontecer na idade adulta também.

O desvio da coluna às vezes é fruto de uma doença ou má formação, mas frequentemente as causas permanecem desconhecidas. Chamamos de escoliose idiopática quando nenhuma origem é encontrada e de escoliose secundária quando é proveniente de uma doença muscular ou óssea.

Além de uma torção da coluna vertebral, a escoliose gera impactos no tórax, no abdômen e nas áreas próximas da coluna.

Causas: o que provoca a escoliose?

A escoliose idiopática representa 70% a 80% dos casos e se desenvolve progressivamente ao longo do crescimento, evoluindo lentamente antes da puberdade e se acelerando durante essa fase graças ao surto de crescimento do período. Ela é o tipo mais comum na faixa etária de 8 a 15 anos e acomete mais as meninas (8 vezes mais do que os meninos).

Já a escoliose secundária pode ser causada por uma doença neuromuscular ou óssea ou por uma má-formação congênita. Por fim, a escoliose degenerativa é aquela descoberta tardiamente. Ela é causada pelo desgaste, ligado à idade, dos discos intervertebrais e das vértebras. A escoliose degenerativa vem se tornando mais frequente à medida que a expectativa de vida aumenta.

Sintomas: como detectar uma escoliose?

A escoliose não provoca uma dor específica e por esse motivo pode não ser detectada precocemente. Em adultos, ela pode, no entanto, provocar dores nas costas. Nos casos de escoliose, é possível perceber uma má postura e, principalmente, uma protuberância (gibosidade) de um lado das costas quando a pessoa se inclina para frente.

É exatamente essa protuberância que o médico procura em um exame para confirmar o diagnóstico. Para isso, ele pede ao paciente para ficar em diferentes posições que irão revelar ou não uma deformidade. Se a escoliose é detectada, outros exames, principalmente radiografias, são realizados para buscar mais informações.

Não se deve confundir a escoliose com o que os médicos chamam de atitudes escolióticas. As últimas se caracterizam por um desvio redutível e são geralmente provocadas por má postura.

Tratamento: como corrigir a escoliose?

O tratamento da escoliose é de longo prazo, podendo se estender por anos. Se o desvio da coluna é pequeno, a escoliose não necessita de tratamento além do acompanhamento médico, especialmente no início da adolescência.

Quando a escoliose atinge de 15 a 20 graus de deformação, o tratamento deve incluir o uso de um colete. Este permite evitar o agravamento da escoliose e corrigir a curvatura. O colete deve ser usado sem interrupção pela criança (exceto no banho), e só deve ser abandonado quando a estrutura óssea está madura e sua forma definida. O objetivo é que a curvatura seja a menor possível ao final do crescimento.

Nos adultos, o uso do colete permite diminuir eventuais dores e conter a evolução do quadro estabelecendo um equilíbrio na coluna vertebral. Essa medida é geralmente acompanhada de sessões de fisioterapia que ajudam a cuidar da mobilidade da coluna e reforçar os músculos afetados.

Nos casos mais graves, ou nos quais apesar do uso do colete a deformidade ultrapasse 35 graus, um tratamento cirúrgico é necessário. As operações podem ser feitas tanto nas crianças quanto nos adultos, mas são de grande porte. Elas consistem em corrigir as deformidades usando hastes de metal implantadas nas vértebras.

Quando possível, a causa direta da escoliose pode ser tratada (uma má formação de vértebra, uma deformidade, um forame magno muito estreito etc).

Escrito por Helena Barros
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações