Erisipela: tratamento, tem cura, é contagiosa?
Erisipela: tratamento, tem cura, é contagiosa?

Erisipela: tratamento, tem cura, é contagiosa?

A erisipela é uma infecção cutânea de origem bacteriana. Afeta principalmente as pernas e o rosto. Contagiosa, a erisipela demanda um tratamento com antibióticos.

Erisipela: o que é?

A erisipela é uma infecção aguda da pele causada por uma bactéria, na maioria das vezes um estreptococo. Ela pode afetar qualquer parte do corpo, mas atinge principalmente os membros inferiores (pernas, pés) e o rosto.

A bactéria entra no organismo através de uma "porta de entrada" (uma ferida ou uma úlcera). Isso causa uma reação intensa das defesas do organismo. A inflamação, então, ocorre na derme e na hipoderme, as duas camadas de pele abaixo da epiderme. Isso é chamado de infecção dermo-hipodermite.

A erisipela é mais comum em pessoas com mais de 40 anos. A idade média da contração da infecção é 60 anos.

Sintomas da erisipela

A primeira manifestação da erisipela é uma febre abrupta (até 40°), geralmente acompanhada de calafrios. Em seguida, aparecem placas vermelhas e brilhantes na infecção sobre a pele. Se a perna for afetada, ela incha e torna-se dolorosa ao toque. No rosto, forma-se uma borda periférica que delimita a erisipela. Há também um aumento do volume dos gânglios situados nas proximidades.

A erisipela pode levar a várias complicações se não for tratada. As bactérias podem se espalhar por todo o organismo e causar uma septicemia, uma infecção do sangue.

Contágio da erisipela

A erisipela é uma infecção contagiosa. É necessário ficar atento aos primeiros sintomas para que a bactéria não se espalhe. Pessoas diabéticas, com um sistema imunológico enfraquecido ou que consumem muito álcool e tabaco estão particularmente em risco. Também estão em risco pessoas com uma porta de entrada para as bactérias como um corte, úlcera, micose ou uma picada de inseto.

Erisipela: tratamento

Como a erisipela é de origem bacteriana, seu tratamento é à base de antibióticos. O mais utilizado é a penicilina, principalmente a penicilina G. É administrada via oral ou intravenosa, no caso de hospitalização, por um período de 10 a 20 dias. Em caso de alergia à penicilina, macrólidos ou estreptograminas podem ser prescritos.

Também é importante tratar a porta de entrada das bactérias. A erisipela tem grades riscos de recidiva, particularmente em pessoas com feridas persistentes.

Escrito por Bruna Moura
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações