Câncer de mama: sintomas, tratamento e sinais. O câncer de mama tem cura?
Câncer de mama: sintomas, tratamento e sinais. O câncer de mama tem cura?

Câncer de mama: sintomas, tratamento e sinais. O câncer de mama tem cura?

O câncer de mama é o câncer mais diagnosticado em mulheres em todo o mundo. Ele atinge uma em cada nove mulheres e mata uma a cada 27. Mas quais são seus sintomas e como tratá-lo? Explicaremos a seguir.

O que é câncer de mama?

O câncer de mama é caracterizado pela presença de células anormais que se multiplicam de forma incontrolável na mama e podem se propagar no corpo através dos vasos sanguíneos ou linfáticos, a progressão de um câncer de mama pode levar de vários meses a vários anos.

Para compreender bem o câncer da mama, é importante conhecer a sua composição. A mama é composta de gordura, glândulas e ductos. As glândulas têm a função de produzir leite, enquanto os ductos chamados "galactóforos" têm por objetivo conduzir o líquido para o mamilo. Existem, assim, diferentes tipos de câncer da mama que vão afetar diferentes áreas e evoluir de forma diferente.

Podemos distinguir dois grandes tipos:

- Cânceres não-invasivos: falamos de câncer não-invasivo quando o tumor afeta apenas os lóbulos e ductos e não se espalhou para os tecidos circundantes. Nesta categoria encontramos o carcinoma ductal in situ, que é o câncer não-invasivo mais comum em mulheres. Ele se forma no interior dos ductos lactíferos da mama. Mais raro, o carcinoma lobular in situ afeta os lóbulos mamários.

Quando detectado precocemente, em geral, esses cânceres não se espalham e seu tratamento resulta em cura. No entanto, se não tratado, eles podem continuar a crescer e tornar-se "invasivos".

- Cânceres invasivos: fala-se de câncer invasivo quando a doença invade os tecidos em torno dos ductos lactíferos, ao mesmo tempo em que ainda permanece no interior da mama. Sem tratamento o tumor pode gerar metástases e se espalhar por outras partes do corpo. Existem vários tipos dentre os cânceres invasivos: carcinoma ductal, carcinoma lobular, carcinoma inflamatório, etc.

Ao contrário da crença coletiva, o câncer de mama também pode afetar homens, mas eles representam apenas 1% dos casos de câncer de mama.

Causas: Quais são os fatores de risco do câncer de mama?

É muito difícil explicar exatamente as razões do aparecimento de um câncer em alguém em particular. No entanto, pesquisas identificaram certos fatores que favorecem a sua ocorrência. Entre eles estão, principalmente, o genes BRCA1 e BRCA2. Certas mutações desses genes aumentam o risco de câncer da mama e câncer do ovário.

No entanto, os cânceres de mama em pessoas com predisposição genética representam apenas uma pequena parte dos casos (entre 5 a 10%). Por outro lado, os cânceres conhecidos como esporádicos (que não são hereditários) representam de 90 a 95%. Como o câncer de mama é um câncer hormônio-dependente, acredita-se que alguns fatores que elevam os níveis de estrogênio, como a puberdade precoce, menopausa tardia ou exposição a desreguladores endócrinos, por exemplo, podem aumentar o risco da doença.

Sintomas: como detectar o câncer de mama?

Os sintomas do câncer de mama não são sempre visíveis, mas eles podem ser detectados em um exame de toque da mama. Eles caracterizam-se principalmente pelo aparecimento de um nódulo superior a um centímetro que não é, necessariamente, doloroso.

A mama também pode mudar de tamanho ou de forma de modo incomum. Também é possível que o mamilo se retraia e tenha secreções espontâneas. A paciente também pode detectar uma ondulação ou enrugamento que se aprofunda na superfície da mama. Na ocorrência de algum destes sinais, é importante consultar rapidamente um médico.

Por meio de um exame físico, o médico estabelece um diagnóstico inicial que será, então, confirmado por uma mamografia. Na verdade, o câncer de mama não é a única razão pela qual os tecidos mamários variam e mudam de aparência. Outros fatores também podem produzir este efeito, entre eles a gravidez, ciclo menstrual, uma infecção ou um cisto. Desse modo, um nódulo detectado na mama não é necessariamente um câncer.

Em três quartos dos casos, o câncer de mama se desenvolve em mulheres com mais de 50 anos, mas pode ocorrer em mulheres mais jovens, especialmente em casos de predisposição genética. O câncer de mama é a principal causa de morte entre as mulheres com idade de 35 a 65 anos.

Tratamento: como tratar o câncer de mama?

O tratamento do câncer depende do tipo e estágio de evolução. No entanto, a cirurgia é inevitável neste tipo de câncer. Para saber mais sobre as características do câncer, diferentes testes podem ser feitos. O teste para receptores de estrôgeno e progesterona é utilizado para constatar se o crescimento do câncer pode ser estimulado por hormônios.

O teste do HER2 é utilizado apenas nos casos de câncer invasivo. É feito para conhecer o grau de ativação do gene HER2, quando altamente ativado, é uma indicação de que o câncer tem o risco de crescer mais rapidamente. Em seguida, vem o tratamento que se divide em 5 categorias:

- A cirurgia é geralmente o primeiro tratamento realizado e permite remover o tumor canceroso. No caso do câncer de mama, essa cirurgia é chamada de mastectomia. Ela pode ser parcial, segmentar (uma parte da mama é removida) ou total. A escolha do tipo de mastectomia se baseia, entre outras coisas, no tamanho do tumor, sua localização na mama, e seu tipo. A preferência da paciente também pode ser levada em conta.

- A radioterapia: a mastectomia parcial é sempre seguida de radioterapia. Tem como objetivo destruir as células cancerosas remanescentes e reduzir o risco de reaparição de um tumor.

- A quimioterapia: esse tratamento do câncer utiliza uma classe de medicamentos, os antineoplásicos. Normalmente administrada após a cirurgia, a quimioterapia destrói as células cancerosas do tumor que haviam se espalhado para o resto do organismo.

- A terapia hormonal: Na maior parte do tempo combinada à cirurgia, à radioterapia ou à quimioterapia, a terapia hormonal é empregada quando o teste dos receptores hormonais mostra que o desenvolvimento do câncer é estimulado por hormônios sexuais. Os medicamentos permitem, então, retardar ou parar a progressão do câncer, bloqueando a ação dos hormônios. Entre os medicamentos estão os anti-estrogênios, bem como os inibidores da aromatase.

- A terapia alvo: Em mulheres atingidas por um câncer da mama invasivo, as células cancerosas sobre-expressam o gene HER2, o que provoca um aceleramento do crescimento do tumor. Neste caso, por meio de injeção intravenosa, administra-se um medicamento,o trastuzumab, que bloqueia especificamente a ação do HER2. Hoje o aumento da frequência de mamografias permite detectar câncer de mama mais cedo. Dessa maneira, eles poder ser tratados de uma forma melhor, o que leva a uma diminuição da mortalidade por câncer de mama.

Escrito por Bruna Moura
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações