Apendicite: sintomas, cirurgia, tratamento e causas. Como identificar a apendicite?
Apendicite: sintomas, cirurgia, tratamento e causas. Como identificar a apendicite?

Apendicite: sintomas, cirurgia, tratamento e causas. Como identificar a apendicite?

A apendicite é uma inflamação aguda no apêndice, uma saliência situada no abdômen. Mas como reconhecer os sintomas e o que fazer no caso de uma crise de apendicite? Explicaremos a seguir.

Definição: o que é a apendicite?

A apendicite é a urgência cirúrgica abdominal mais frequente. Mesmo com o número de operações baixando ao longo das últimas décadas, sua incidência ainda é muito grande. Atualmente, estima-se que uma a cada 15 pessoas terá apendicite um dia.

Como o seu nome indica, a apendicite é uma inflamação aguda do apêndice ileocecal. Uma saliência natural que prolonga o ceco, situada entre o intestino delgado e o cólon direito.

Sintomas da apendicite

A apendicite é caracterizada por uma dor aguda e repentina na fossa ilíaca direita, que corresponde à parte inferior direita do umbigo. A dor aparece de forma repentina e acentua-se progressivamente em um período de 6 a 12 horas. Ela pode vir acompanhada de:

-náuseas ou vômitos

-perda de apetite

-febre baixa

-diarreia

- inchaço

- enrijecimento no abdômen

Entretanto, o quadro de sintomas não é sempre igual e alguns sintomas clássicos podem não aparecer. Existem casos em que não há alteração da temperatura corpórea ou anormalidade digestiva, a região dolorida do abdômen também pode ser outra, devido a um posicionamento atípico do apêndice.

No caso de suspeita de apendicite, é importante consultar um médico o mais rapidamente possível, em particular se a dor for aguda. No caso do rompimento do apêndice, o abdômen torna-se rapidamente inchado e rígido, trata-se de uma urgência médica.

O exame se faz pressionando cuidadosamente o abdômen perto do apêndice e liberando a pressão subitamente. Se dor acentuar-se, trata-se de apendicite. A dor se intensifica também quando o paciente levanta a perna direita.

As causas da apendicite

A apendicite é sempre causada por uma obstrução da parte situada entre o intestino delgado e o cólon direito por fezes, muco ou um espessamento do tecido linfoide (conjunto de órgãos onde residem os linfócitos e outras células do sistema imunológico). Nesse caso, o apêndice incha, é colonizado por bactérias e pode, eventualmente, começar a necrosar.

A apendicite atinge uma a cada 15 pessoas e aparece majoritariamente em pessoas entre 10 e 15 anos. Ela atinge mais frequentemente os homens do que as mulheres.

Tratamento: cirurgia de apendicite

A apendicite demanda uma intervenção cirúrgica imediata sem a qual o apêndice pode se romper. Se a apendicite chegar a se romper, isso pode provocar uma peritonite, ou seja, uma infecção no peritônio, a fina parede em torno da cavidade abdominal que comporta os intestinos.

A operação cirúrgica consiste em retirar o apêndice por uma incisão de alguns milímetros perto da fossa ilíaca direita. O cirurgião pode também fazer uma laparoscopia, realizando três incisões no abdômen e inserindo uma câmera em uma delas. A operação pode demandar de 24 horas a alguns dias de repouso e não é isenta de risco, embora as complicações sejam raras.

Como é difícil diagnosticar a apendicite, às vezes pode acontecer que, no momento da remoção, o apêndice se mostre normal. Entretanto, levando em conta os riscos que podem trazer uma apendicite não tratada, algum percentual de erro é inevitável. Ainda mais sabendo-se que a remoção desse órgão não traz nenhum efeito colateral indesejável.

Há algum tempo, pensava-se que o apêndice não tinha nenhuma utilidade. Hoje em dia, sabe-se que ele produz anticorpos, assim como outros órgãos. Sua remoção, entretanto, não é prejudicial, pois as defesas imunológicas do corpo permanecem suficientes.

Escrito por Bruna Moura
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações