Algodistrofia: sintomas, tratamento, causas da síndrome da dor complexa regional
Algodistrofia: sintomas, tratamento, causas da síndrome da dor complexa regional

Algodistrofia: sintomas, tratamento, causas da síndrome da dor complexa regional

A Algodistrofia, ou algoneurodistrofia, é uma síndrome que se manifesta pela dor articular nos membros inferiores (tornozelo, pé, joelho) e nos superiores (ombro, mão).

O que é Algodistrofia?

A Algodistrofia, também conhecida como Síndrome da Dor Complexa Regional (SDRC), é caracterizada por dores articulares que afetam principalmente as pernas (na região dos pés, tornozelos e joelhos) e os braços (mãos e ombros). Ela pode ocorrer após um traumatismo, tal como uma entorse ou fratura, ou intervenção cirúrgica.

A Algodistrofia é uma doença óssea rara e incapacitante. Pode ocorrer em qualquer idade, mas afeta principalmente adultos entre 35 e 65 anos e a cada 4 casos, 3 são em mulheres. Ela ocorre com mais frequência nos membros superiores do que nos membros inferiores.

Existem dois tipos de Algodistrofia: Algodistrofia tipo I, que é a forma mais comum (90% dos casos)e não afeta os nervos, ao contrário da Algodistrofia tipo II, na qual o prognóstico é menos favorável.

Causas e fatores da Algodistrofia

As causas da Algodistrofia ainda não são claras. Na maioria dos casos, isso ocorre depois de um traumatismo ósseo ou articular: entorse, luxação, fratura, cirurgia ortopédica, etc. Isso provocaria uma disfunção do sistema nervoso.

Quando há esse trauma, os nervos periféricos, responsáveis pela contração das artérias e vasos em torno das articulações, são perturbados. Isso cria um déficit de vascularização da área afetada, causando alterações responsáveis pelas dores sentidas.

Um infarto, um AVC, o mal de Parkinson, distúrbios vasculares ou simplesmente um forte estresse também podem atuar como fatores agravantes da Algodistrofia.

Os sintomas da Algodistrofia

A primeira manifestação da Algodistrofia é a dor difusa intensa, que pode ser comparada a uma sensação de queimadura ou picada, e é mais frequente nos pés, pernas, mãos ou ombros. Outros sintomas também podem aparecer:

- inchaço dos membros afetados

- impotência funcional (dificuldade em efetuar movimentos)

- hipersensibilidade da pele

- sudorese (transpiração excessiva)

- pele lisa e pálida

- unhas quebradiças

- perda de cabelo

A melhora espontânea é lenta e dura vários meses. É raro a doença deixar sequelas profundas.

Tratamento: A algodistrofia tem cura?

O tratamento contra a Algodistrofia deve ser iniciado o mais cedo possível para retardar, de forma eficaz, a progressão da doença. Para lutar contra a dor é feito o uso de analgésicos, anti-inflamatóriossem esteroides e, às vezes, certos antidepressivos.

Também é importante efetuar uma reeducação, a fim de reduzir os problemas comuns. A fisioterapia e a balneoterapia (tratamento por meio de banho) são importantes nesse processo de recuperação. A psicoterapia pode ser inserida como suporte se o paciente sofrer de ansiedade ou de depressão.

Escrito por Marcos Silva
Última modificação

Sem Internet
Verifique suas configurações