A Terra está progressivamente engolindo seus próprios oceanos

A Terra está progressivamente engolindo seus próprios oceanos

Um novo estudo feito na Fossa das Marianas resulta numa constatação impressionante: o movimento das placas tectônicas está fazendo com que a Terra "engula" progressivamente os oceanos.

Um novo estudo esclarece um impressionante fenômeno, até agora subestimado pelos pesquisadores. Com um protocolo que possibilita controlar a atividade de placas tectônicas terrestres, uma equipe da Universidade de Washington chegou a revelar que a Terra estaria "engolindo" seus oceanos em um ritmo três vezes superior ao que nós achávamos até então.

Voltas da Terra

"Sabíamos que a subducção das áreas poderia levar à descida da água, mas não sabíamos com quanta água estávamos lidando", diz Chen Cai, principal autor do estudo na revista Nature. Para combater as grandes variações encontradas em estudos anteriores, Cai e sua equipe usaram um método muito especial.

Juntos, eles ouviram gravações de um ano dos sons da Terra (de sons ambientes ao rugido de terremotos) através de uma rede de 19 sismógrafos colocados no fundo do oceano ao longo da fossa das Ilhas Marianas, associadas a 7 outros dispositivos ao longo da ilha. Neste local, a Placa do Pacífico desliza sob a placa de Mariana para se mover em direção às profundezas do manto da Terra.

Cascata em vulcões

À medida que a placa se move, leva com ela grandes quantidades de água, metamorfoseadas em minerais hidroxilados. Essas "rochas úmidas" são progressivamente transportadas para o interior do manto terrestre graças ao movimento de subducção. Essa água seria eventualmente trazida à superfície como vapor durante as erupções vulcânicas.

Leia também
Descubra o efeito surpreendente do leite com Coca-Cola

No entanto, os resultados do estudo sugerem que é improvável que a atividade vulcânica seja suficiente para liberar a quantidade de água absorvida pela Terra. Eles revelam que, para a região de Mariana Trench, esse fenômeno causa "a deglutição" de uma quantidade de água quatro vezes maior que as estimativas anteriores. No nível global, os pesquisadores precisarão multiplicar as estimativas por três.

"Este estudo mostra que as zonas de subducção movem muito mais água para as profundezas da Terra - vários quilômetros abaixo da superfície - do que supomos", disse Candace Major, diretora de programas da Divisão de Oceanos da Fundação Científica, quem financiou o estudo. "Estes resultados destacam o importante papel desempenhado pela subducção no ciclo da água."

De Freitas Agostinho
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações