Abbas Alizada é considerado o Bruce Lee afegão

Abbas Alizada é considerado o Bruce Lee afegão

Um jovem afegão, sósia da lenda do kung fu Bruce Lee, está abrindo um caminho de fama da Internet, com objetivo de mostrar um outro lado de sua nação cansada da guerra. Vídeos e fotos de Abbas Alizada, 20 anos, postados na página do Facebook "Bruce Hazara" o o mostra fazendo encadeamentos em um saco de pancadas e imitando as célebres poses do mestre das artes marciais. Uma popularidade repentina para o Bruce Lee afegão que sonha em um futuro em Hollywood.

Com 20 anos, Abbas Alizada sonha em se tornar uma estrela de Holywood. Com traços de Bruce Lee, o jovem afegão cultiva sua semelhança com a lenda das artes marcias e treina kung fu desde os sete anos até hoje. Com mais de 50000 seguidores no Twitter e alguns 40000 "Curtir" no Facebook, ele se tornou uma pequena celebridade na escada afegã, sem mesmo estar em um filme.                     

Uma semelhança assustadora

O jovem rapaz de 20 anos vem de uma família pobre de 10 crianças e espera que sua fama na internet vai livrá-lo da pobreza e da violência.             

Não somente ele se parece fortemente com Bruce Lee a nível facial, ele também cultiva uma cabeleira e um físico seco para se aproximar ainda mais da estrela de "Operação Dragão". Sua página no Facebook foi criada por alguns amigos com o nome de "Bruce Hamarza", mas Alizada disse que não gosta desse sobrenome porque ele indica sua origem ética e tribal em um país onde a diferença entre as tribos pode levar à morte. Ele prefere um outro sobrenome: "O Bruce Lee Afegão."                        

O mestre como exemplo

O verdadeiro Bruce Lee morreu em 1973 com apenas 32 anos de uma reação alérgica a um analgésico. Mas apesar da sua vida curta, ele já havia se tornado celebridade mundial anteriormente como campeão de artes marciais e professor depois como estrela de cinema. Lee obteve a glória com o começo de sua paixão por artes marciais, os papéis principais dos filmes tornados referência do gêreno desde então. "The Big Boss" e "Operação Dragão", lançados respectivamente em 1971 e 1972Os filmes foram hits cult nos Estados Unidos e levou os produtores de Hong Kong a dá-lo um filme à altura de seu talento, "A Fúria do Dragão", que continuou a consolidar sua lenda. Através das épocas, esses filmes forjaram a lenda de Bruce Lee e inspiraram várias gerações. Abbas Alizada faz parte delas e deseja seguir o caminho do mestre.                         

Entre sonho hollywoodiano e guerra contra Daech

"Quero ser um campeão no meu país e ser uma estrela hollywoodiana", declarou durante uma entrevista realizada no Palácio de Darulaman em Kabul, as quais as paredes rachadas são o símbolo da devastação de 35 anos de conflito no Afeganistão. "A destruição aqui me entristece, mas ela também me inspira." Alizada deve seu reconhecimento ao desaparecimento do governo islamista que interditava o uso da Internet, assim como a televisão e outras formas de divertimento, até que isso seja revertido pelos Estados Unidos em 2001, após os atentados de 11 de setembro.           

Leia também
Arnold Schwarzenegger critica os bodybuilders da nova geração

Suas fotos e vídeos se tornaram virais entre o pequeno número de utilizadores da Internet no Afeganistão, mas essa publicidade ajudou Alizada a espalhar sua nova fama ao estrangeiro. "As únicas notícias que vêm do Afeganistão são sobre a guerra", declarou o rapaz. "Estou contente que minha história não faça parte dessas notícias. Elas são positivas para meu país".Antes de morrer em 1973, Bruce Lee filmou apenas 40 minutos de "Jogo da Morte". Mesmo facido, Bruce Lee está ainda vivo aos olhos do público, de seus fãs e principalemnte dos produtores mercantis. Um certo Robert Clouse, decidiu em 1978, seis anos após o início da filmagem de "Jogo da Morte", de retomar à seu estilo o filme filmado por Bruce Lee. Sobre os quarenta minutos filmados pelo ator, Robert Close conservou apenas 15 pequenos minutos.         

Hoje, Abbas Alizada tem um desejo: terminar esse filme considerado pelos fãs do mestre como inacabado. Uma ideia que pode causar fúria.

• De Freitas Agostinho
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações