Legionelose: sintomas, transmissão, tratamento, do que se trata?
Legionelose: sintomas, transmissão, tratamento, do que se trata?

Legionelose: sintomas, transmissão, tratamento, do que se trata?

O retorno de uma doença potencialmente mortal.

Também chamada de "doença do legionário", a legionelose é uma infecção bacteriana, do tipo Legionella. Existem mais de 50 espécies diferentes de legionelas mas mais de 90% dos casos da doença são devido à Legionella pneumophila.

A bactéria faz parte da flora aquática encontrada em fontes de água doce naturais ou artificiais. Algumas condições como a presença de ferro, zinco e depósitos orgânicos e outros microorganismos pode favorecer seu desenvolvimento. Ainda que as legionelas sejam encontradas com mais frequência em locais sujos elas podem infectar as pessoas em chuveiros, vasos, fontes, ar condicionados e sistemas de ventilação. A contaminação se faz pela inalação de gotículas contendo bactérias. Isso permite aos microrganismos penetrar nas vias respiratórias onde vão se multiplicar.

Incubação e sintomas da legionelose

Depois da inalação, o período de incubação é de 2 a 10 dias. A bactéria pode em seguida provocar duas formas da doença: uma forma benigna chamada "febre de Pontiac" e uma forma mais grave, a legionelose. Esta última é uma infecção pulmonar aguda cujos primeiros sintomas são o de uma gripe. A doença apresenta-se com febre geralmente superior a 39,5°C, dores de cabeça e tosse seca. Em seguida surge uma sensação de mal estar e surgem problemas digestivos: náuseas, vômitos, diarréias. É possível que haja dificuldades de respirar e dores torácicas.

Em alguns dias esses primeiros sinais podem ser acompanhados de sintomas neurológicos: confusão, desorientação, alucinações, delírios e coma. Sem tratamento, a infecção pode levar a uma insuficiência respiratória irreversível ou insuficiência renal aguda, capaz de causar a morte. A doença progride, quase sempre, entre os indivíduos mais frágeis, pessoas mais velhas, imunodeprimidas, operadas ou lactantes. Certos fatores como o tabagismo ou câncer e diabetes podem favorecer o desenvolvimento da infecção.

Diagnóstico e tratamento da legionelose

O diagnóstico da legionelose é feito com a procura da bactéria no organismo. Uma vez que a doença seja confirmada, ela deve ser tratada o mais rápido possível com os antibióticos. Segundo o Instituto Pasteur, a legionelose tornou-se naturalmente resistente à penicilina, mas outras moléculas como os macrolídeos, fluoroquinolones e rifampicina são eficazes para tratar a doença, sob a condição de serem prescritas a tempo.

A duração do tratamento é de 8 a 14 dias para as formas mais graves e pode ser prolongado para até 21 dias para as formas mais severas ou em indivíduos frágeis. Neste caso, muitos antibióticos podem ser associados ao tratamento. Não há casos confirmados de transmissão entre humanos. A prevenção da legionelose está, principalmente, em cuidar das instalações.

Escrito por Raposo Gabriela

Sem Internet
Verifique suas configurações