Menino estupra a irmã de 6 anos para imitar o GTA

Menino estupra a irmã de 6 anos para imitar o GTA

Uma criança acaba de ser levada a um estabelecimento terapêutico depois de ter estuprado sua irmã de 6 anos para "fazer igual ao GTA"...

Esse é do tipo de notícia absurda que nos arrepia até a espinha. Um menino de 12 anos acaba de passar pelo tribunal de crianças de Swindon por ter estuprado sua irmã de 6 anos. A razão exposta por ele mesmo é a vontade de "fazer igual ao GTA"...

Leia também
GTA 6 (ps4, Xbox One, PC): uma mulher seria a nova personagem principal do próximo GTA

Com uma terrível simplicidade, sua explicação é, todavia, o resultado de vários dias seguidos passados jogando o game que é proibido para menores de 18 anos. Se cientificamente já foi provado que os jogos eletrônicos não tornam as pessoas mais ou menos violentas, nem antissociais, nem nada parecido que tenha sido dito por uma grande parcela da imprensa ao longo dos anos, uma coisa é clara: é preciso controlar o acesso aos jogos de vídeo-game, sobretudo quando estamos falando de crianças.

Efetivamente, na idade em que as crianças procuram entender os conceitos do que é bom e ruim, a moral ainda não está bem definida. Ao reproduzir o que ele vê na tela, a associação diversão/atitudes ruins que alguns jogos como o GTA promovem pode prejudicar sua educação. Evidente e felizmente, nem todas as crianças chegam a esses extremos. Por outro lado, algumas instituições e fatores (família, escola, ambiente de convívio, etc.) podem alterar essa aprendizagem. A criança, assim, não tem apenas os jogos como referência a qual ele pode trazer à vida real...

De qualquer forma, saiba também que o jovem garoto foi adicionado ao registro de delinquentes sexuais por pelo menos dois anos, enquanto a menina será observada por psicólogos. Embora repetitivo, vale reafirmar que um jogo não é uma forma de escape para que as crianças se divirtam, mas sim um lazer que exige o acompanhamento dos pais para fazê-lo entender os contextos e as implicações de suas ações.

De Freitas Agostinho
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações