As estrelas da Copa Neymar e Mbappé colocam em risco futuro de seu clube

As estrelas da Copa Neymar e Mbappé colocam em risco futuro de seu clube

As estrelas da Seleção Brasileira e Francesa colocam em risco o futuro do clube Paris Saint-Germain nas próximas competições europeias. Veja o porquê.

Por causa de doping financeiro, Neymar e Mbappé podem receber punições e prejudicar seriamente a grande equipe internacional Paris Saint-Germain. Seguindo as informações do jornal El País, uma das partes integrantes da UEFA, encarregada de analisar e fiscalizar o chamado “fair play financeiro”, ou seja, a legalidade das transações e pagamentos, está avaliando se existem irregularidades entre o PSG e o Qatar, país de nascimento do presidente do clube francês.Há suspeitas de que o clube de Mbappé e Neymar funciona como parte do Estado do Qatar, um clube-Estado.

Caso isso seja comprovado, o PSG pode ter seus gastos limitados e ser impedido de participar de grandes competições como a Champions League. Ainda assim, o PSG pode recorrer ao que seria o Superior Tribunal do futebol, o Tribunal de Arbitragem de Esportes de Lausana (TAS), estabelecido na Suíça.

Embora a polêmica persista, Ives Leterne, o antigo primeiro ministro  belga, enquanto dirigente da Câmara de Investigação de Controle Econômico dos Clubes, ordenou o arquivamento do caso dia 13 de junho, tendo concluído que as transações estavam de acordo com os estabelecimentos do fair play financeiro da UEFA.

E onde entraram Neymar e Mbappé nessa história?

Leia também
Por que Cristiano Ronaldo não tem tatuagens como todo mundo?

Uma das pautas estabelecidas pelas organizações que controlam o futebol obriga os clubes a não mostrarem perdas superiores a 30 milhões por temporada em suas contas (125 milhões de reais). Aí, se observado o balanço financeiro do PSG, só com Neymar e Mbappé, foram gastos entre 220 e 180 milhões de euros, o equivalente a algo entre 900 e 800 milhões de reais, quase dez vezes o teto firmado pela instituição de controle dos clubes.A polêmica não para por aí. O xeque do Qatar, que dirige o PSG, tem contrato de patrocínio com a empresa de turismo do mesmo país que, por possuir valores de mercado muito acima da média, viola as leis da concorrência da União Europeia. No entanto, a investigação considerou corretos os relatórios e os contratos apresentados pelo PSG.

A câmara de investigação acabou, por fim, considerando que não havia motivos para suspeitar que o clube PSG encaixava-se no conceito de clube-estado. Contudo, a decisão tomada força o PSG a vender jogadores até o começo desse mês pelo equivalente a 240 milhões de reais. Além dessa obrigação, o clube foi advertido que suas contas estarão sob vigilância. Os outros clubes europeus que concorrem diretamente com o PSG não gostaram da decisão final, acusando-a de ser “frouxa” e, insatisfeitos, direcionaram uma reclamação ao presidente da UEFA Alexander Ceferin.As investigações sobre as negociações que trouxeram Neymar e Mbappé foram excessivamente longas, mais de um ano entre a abertura e o fechamento.

A polêmica segue tensa devido ao grande jogo de poderes e a quantidade de dinheiro envolvido nas transações. A UEFA, inclusive, possui contrato comercial com o grupo Al Jazeera, a rede televisiva do Oriente Médio que detém os direitos de transmissão dos jogos desta corporação. Aparentemente há limite para tudo, até para gastar dinheiro.

De Freitas Agostinho
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações