FIV (fertilização in vitro): definição, sequência, riscos e contraindicações

FIV (fertilização in vitro): definição, sequência, riscos e contraindicações

A fertilização in vitro, mais comumente conhecida pela sigla FIV, é uma técnica de procriação assistida (ART) que permite reproduzir em laboratório as diversas etapas da fertilização natural (in vivo).

O que é fertilização in vitro?

Praticada por laboratórios especializados, a fertilização in vitro (fertilização in vitro) é uma técnica médica que consiste em unir um ovócito e espermatozoides (gametas) em uma placa de Petri, fora do sistema reprodutor feminino. A recuperação do ovócito é realizada por meio de punção ovariana enquanto o esperma é coletado manualmente (masturbação).

Quando a fertilização ocorre, a divisão do ovo continuará in vitro por alguns dias antes de ser implantada no útero da mulher. A estimulação ovariana é necessária para obter vários ovócitos durante o mesmo ciclo, a fim de aumentar as chances de sucesso.

Como se faz uma fertilização in vitro?

A fertilização in vitro requer a realização de diferentes etapas:

- estimulação ovárica: esse tratamento hormonal ajuda a inibir a ascendência exercida pelo cérebro na produção de ovócitos,

- estimulação dos ovários é realizada em paralelo para promover o crescimento de vários folículos,

- monitorização dos ovários: são realizados dois a três ultrassons endovaginais para monitorar a eficiência da estimulação ovárica e visualizar os folículos,

- coleta de esperma: coleta de esperma é realizada na manhã da punção ovocitária,

- os espermatozoides são mantidos em um ambiente estéril,

- punção ovocitária: ovócitos são aspirados cerca de trinta e cinco horas após o início da ovulação,

- a punção é realizada sob anestesia (local ou geral),

- fertilização: ovócitos e espermatozoides são colocados em contato diretamente (FIV clássica) ou com uma pipeta (FIV com micro injeção intracitoplasmática),

Leia também
Descubra o efeito surpreendente do leite com Coca-Cola

- depois de fertilizados, os ovócitos são cultivados,

- transferência de embriões: os embriões serão selecionados e alguns serão introduzidos no colo do útero.

FIV: Quais são os riscos e contraindicações?

Embora as complicações sejam raras, a FIV apresenta alguns riscos:

- hiperestimulação ovariana: a produção de numerosos folículos ocorre em certos pacientes,

- gestações múltiplas: a transferência de vários embriões ocasionando a gravidez múltipla,

- o risco contagioso: a contaminação por um germe pode intervir durante a punção dos ovócitos,

- risco tromboembólico: aumento do estrogênio aumenta o risco de flebite,

- torção do ovário e da tuba uterina: o aumento do volume do ovário durante a estimulação pode (raramente) causar uma torção,

- risco alérgico: muitas substâncias administradas durante o processo podem causar reações alérgicas

 

Danielle Pereira
Sem Internet
Verifique suas configurações