Fibrilação atrial: sintomas, causas, diagnóstico e tratamento dessa doença cardíaca

Fibrilação atrial: sintomas, causas, diagnóstico e tratamento dessa doença cardíaca

A fibrilação atrial é uma doença cardíaca que é caracterizada por um aumento da frequência cardíaca e batimentos irregulares. Esse distúrbio aparece em um padrão anormal durante um eletrocardiograma (ECG).

O que é fibrilação atrial?

Fibrilação é um distúrbio que se manifesta como contrações musculares anormais e involuntárias. Quando esse distúrbio diz respeito aos átrios, em outras palavras, as cavidades superiores do coração, é chamado de fibrilação atrial.

Um ritmo cardíaco é considerado normal quando há entre 60 e 100 batimentos em repouso. Em pacientes com fibrilação atrial, às vezes há mais de 150 batimentos por minuto.

Os sintomas da fibrilação atrial

A fibrilação atrial, principalmente, leva a taquicardia e arritmia. Os sintomas podem passar despercebidos e serem detectados por acaso durante um eletrocardiograma, por exemplo, em pessoas que estão prestes a serem operadas.

Os batimentos cardíacos acelerados e irregulares às vezes são acompanhados por outros sinais, como palpitações, falta de ar (especialmente perceptível durante o exercício), dor no peito e vertigem. Se a fibrilação atrial não for controlada rapidamente, complicações sérias podem ocorrer: insuficiência cardíaca, cardiopatia, infarto do miocárdio (ataque cardíaco)...

Causas da fibrilação atrial

Fibrilação é por vezes de origem desconhecida. Vários distúrbios e patologias podem ser responsáveis por taquicardias e arritmias como: diabetes, hipertensão, hipertireoidismo, insuficiência renal crônica, cardiopatia congênita, insuficiência cardíaca, obesidade... Existem vários outros fatores de risco, como envelhecimento, tabagismo e consumo excessivo de álcool.

O diagnóstico de fibrilação atrial

Leia também
Conheça a "menina do algodão doce" que já encantou milhares de internautas

A observação clínica e a narrativa do paciente ajudam o médico a orientar seu diagnóstico. Mas é o eletrocardiograma (ECG) que realmente confirma a fibrilação atrial. Este exame médico é realizado pelo anardiologista. Consiste em registrar a atividade elétrica do coração por vários minutos.

Eletrodos conectados por cabos a um dispositivo são colocados no peito e em outras partes do corpo do paciente. As informações gravadas aparecem na tela do computador e são impressas em papel na forma de curvas mais ou menos regulares. A plotagem de curvas fornece informações valiosas sobre a atividade cardíaca e destaca as anormalidades cardíacas.Tratamentos para fibrilação atrialA prioridade do tratamento é encontrar um ritmo cardíaco normal e regular. Para fazer isso, um tratamento médico baseado em betabloqueadores é colocado em prática. Anticoagulantes e agentes antiplaquetários são administrados para prevenir coágulos sanguíneos.O tratamento de base depende da causa dos distúrbios. O paciente deve adotar novos hábitos para reduzir ou eliminar os fatores de risco: não fumar, comer bem, praticar atividade física regular...

• Danielle Pereira
Sem Internet
Verifique suas configurações