Um imenso disco de gelo observado girando na superfície de um rio congelado

Um imenso disco de gelo observado girando na superfície de um rio congelado

Um morador de Michigan, nos Estados Unidos, filmou um surpreendente fenômeno na superfície do rio Pine. Com a água congelada, um disco de gelo se soltou e começou a girar sob seus olhos.

O inverno e as suas temperaturas glaciais podem trazer manifestações impressionantes e Jason Robinson é o último a discordar desta afirmação. Esse habitante de Michigan nos Estados Unidos recentemente teve uma grande surpresa ao encontrar um imenso disco de gelo que girava na superfície de um rio gelado.


Raro, o fenômeno foi observado no Rio Pine, próximo de Vestaburg. “ Eu já vi coisas muito legais nas florestas - coisas que não esperava”, confidenciou Jason Robinson ao MLive.com. Mas isso ele nunca tinha visto.

 

Um fenômeno natural

 

Alguns tentaram procurar uma explicação paranormal, mas tratava-se de um fenômeno natural, afirmaram os especialistas.  Um outro caso similar aconteceu em novembro de 2013 no rio Cheyenne em Dakota do Norte.

 

A explicação mais comum sugere que o ar frio e denso lentamente vai para a superfície do rio, aos poucos.  Mas como o processo não é instantâneo, os blocos de gelo entrariam no turbilhão do rio, criando um disco giratório perpétuo. Mas esse cenário não explica tudo, segundo os cientistas.

 

Os discos podem medir um metro ou 200.  No entanto, eles parecem comportar-se da mesma forma. “Se os redemoinhos são os principais responsáveis, os pequenos discos girariam mais rápido que os grandes, e não é isso que se observa”, explicou ano passado um especialista à Science Alert.

 

Uma experiência para acabar com o mistério

 

Para compreender o que realmente acontece, uma equipe liderada por Stéphane Dorbolo da Universidade de Liège na Bélgica, realizou um  estudo publicado em março de 2016 na revista Physical Review E. Graças a ímãs e discos de gelo criados em placa de Petri e imersos em um banho, os cientistas conseguiram recriar o fenômeno.

 

O modelo constatou que o disco de gelo começa a rodar mesmo sem nenhum redemoinho criado. Mas a equipe também observou que quanto mais quente a água, mais rapidamente o disco gira. A explicação é uma propriedade muito particular da água: ela é mais densa à  4°C. Ao longo dos estudos, os cientistas também mediram o fluxo de água sob o gelo em função da temperatura.

 

Eles descobriram que o disco de gelo resfria a água e, quando ela atinge  4°C, ela afunda formando um vórtex. É o redemoinho que empurra o disco a entrar em movimento. Ainda falta explicar como o movimento fica perfeitamente circular.


• Pedro Souza
Leia mais