No litoral de São Paulo, ilha possui a segunda maior concentração de cobras do mundo

No litoral de São Paulo, ilha possui a segunda maior concentração de cobras do mundo

Uma pequena ilha localizada no litoral do estado de São Paulo conta com a segunda maior concentração de cobras de todo o planeta.

Muitas cobras por m²

Há cerca de 5 séculos, a Ilha da Queimada Grande vem chamando a atenção dos pesquisadores por um motivo um tanto quanto assustador: ela possui a maior concentração de cobras por metro quadrado do mundo. A ilha, apelidada de Ilha das Cobras, só perde para uma ilha na China, a Ilha da Shedao.

A ilha é bastante pequena, composta principalmente por rochas, não possui praias e o seu acesso é bastante dificultoso. Seus habitantes: as cobras da espécie jararaca-ilhoa, a Bothrops insularis. O pedaço de terra em meio ao mar é praticamente habitado apenas por essa espécie de cobra, que rastejam por 1.500 metros de comprimento e 500 metros de largura, que é o tamanho da ilha. Devido ao altíssimo número de cobras por metro quadrado, a ilha abriga hoje a segunda maior concentração de cobras do mundo.

A jararaca-ilhoa

A Ilha das Cobras se formou durante a última era glacial, há mais ou menos 11 mil anos atrás, momento em que a água proveniente do derretimento das geleiras fez o nível de água do mar subir, fazendo com que o morro se separasse do continente, formando a ilha. Dessa forma, a população de jararacas que habitava o morro se isolou das do resto do continente, dando origem a uma nova espécie, por isso o nome jararaca-ilhoa (de ilha).

Essa espécie de serpente já é estudada há muitos anos, e possui algumas diferenças marcantes em relação às demais. Elas evoluíram com a habilidade preênsil, ou seja, de serem capazes de pegar coisas e também a de subir em árvores, onde fazem seus ninhos. É por isso também que a jararaca-ilhoa tem como prato favorito os pássaros, alimentando-se deles quase que exclusivamente; já as demais espécies de jararacas preferem répteis e pequenos mamíferos em seu cardápio.

O veneno da jararaca-ilhoa é extremamente potente, porém os cientistas descobriram que ele faz muito mais efeito e causa muito mais danos às aves do que aos mamíferos, outra característica exclusiva dessa espécie de cobra. Isso também prova que elas contam com uma grande facilidade de adaptação ao meio que viveram por milhares de anos.

Leia também
Anaconda: a maior serpente do mundo

Guardiãs de um tesouro?

Devido ao enorme número dessas cobras na ilha, ela foi alvo de alguns mitos e lendas. Acredita-se que, em uma delas, as cobras foram colocadas de maneira proposital na ilha por piratas, para que elas se tornassem uma espécie de guardiã do tesouro e protegendo suas riquezas. Uma outra diz que a família de um faroleiro foi totalmente dizimada pelas cobras, mas essa lenda já foi desmentida.

O perigo da extinção

A jararaca-ilhoa encontra-se em uma crítica situação de extinção. Devido ao fato de existirem apenas nesta ilha, essas cobras se tornaram também muito valiosas: uma jararaca-ilhoa custa cerca de 30 mil reais no mercado negro. Outro motivo são as queimadas feitas pelos pescadores da região, dizimando centenas de serpentes. Outro fator é a dificuldade de reprodução dessa espécie, já que é bastante distinta das demais. Atualmente, elas fazem parte da Lista Nacional das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção e da Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas. 

(Fonte: BBC /Imagem: Getty) 

• Marcos Silva
Leia mais