Primeira foto de um buraco negro real entra para a história mundial

Primeira foto de um buraco negro real entra para a história mundial

A primeira imagem capturada de um buraco negro confirmou um estudo de Einstein.

Uma data para entrar para a história

O dia 10 de abril de 2019 entrou para a história. Pela primeira vez, astrofísicos conseguiram capturar uma imagem real de um buraco negro, um dos fenômenos mais misteriosos e amedrontadores do universo. Esse é um estudo que já dura mais de uma década, e finalmente rendeu uma bela imagem do gigante buraco negro.

Em tempo real, o sucesso das pesquisas foi anunciada em cinco países e acompanhado em todo o globo. Milhares de jornalistas, telespectadores e curiosos da astronomia acompanharam o anúncio feito pela companhia responsável pelo Event Horizon Telescope (EHT, Telescópio Horizonte de Eventos em português). Em poucos minutos, a imagem já se tornou viral e o acontecimento será certamente lembrado por muitos anos futuramente.

Mas como isso foi possível?

A imagem do buraco negro já foi compartilhada milhões de vezes por toda a internet, sobretudo nas redes sociais. Nela, aparece um círculo negro envolto em um disco brilhoso. Mas o que seria esse disco luminoso ao redor do ponto, já que os buracos negros não emitem luz? Segundo os físicos, essa é a luz distorcida e desviada para dentro do buraco, que a "suga"; devido à sua gravidade colossal, nem mesmo a luz escapa e é sugada para dentro do fenômeno. O diâmetro do buraco negro está estimado em cerca de 40 bilhões de quilômetros, de um lado ao outro.

Leia também
5x3 não é igual a 5+5+5, por quê?

A imagem só foi possível de ser capturada devido a um esforço coletivo em diferentes regiões do planeta Terra. Foram necessários 8 observatórios trabalhando concomitantemente, quase todos localizados em pontos longínquos, como por exemplo no topo de um vulcão no Havaí, no deserto do Atacama e no Polo Sul. Os dados obtidos por esses telescópios foram analisados seguindo um cálculo desenvolvido no ano de 1970 intitulado Interferometria de Base Muito Longa, ou simplesmente VLBI, na sigla em inglês. Com essa triangulação, é possível obter imagens bastante detalhadas do universo, similarmente como se fossem capturadas por um telescópio do tamanho do planeta Terra.

O M87

O buraco negro foi chamado pelos cientistas de M87 e, apesar de muitos acharem que ele está localizado em algum lugar próximo ou mesmo dentro de nossa galáxia Via Láctea, o M87 está a 55 milhões de anos-luz da Terra, em uma outra galáxia. O que permitiu aos cientistas a descoberta foi a posição desta outra galáxia em relação a nós, o que possibilitou uma imagem detalhada do fenômeno. Uma informação que deixou o mundo perplexo é o tamanho do buraco negro: sua massa é equivalente a 6,4 bilhões do nosso Sol.

Einstein já havia previsto a forma de um buraco negro

Há mais de 100 anos, Albert Einstein estudou buracos negros e chegou a um esboço de como um se pareceria. O que deixou os cientistas emocionados foi a confirmação do que Einstein previu há quase um século atrás: a foto do buraco negro é extremamente semelhante àquela que Einstein desenhou. "Einstein não podia imaginar o que descobriu ... Para tirar uma foto de algo que um homem sonhou há 100 anos, você precisa de pessoas de 40 países.Se há um grande momento para todos nós, é hoje", disse Carlos Moedas, da European Research Council.

 Fonte:  Revista Galileu Imagem: M. Kornmesser/ESO/ESA Hubble/Reprodução
Andressa Zabeu
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações