Por causa do aquecimento global, a cerveja pode se tornar cada vez mais cara

Por causa do aquecimento global, a cerveja pode se tornar cada vez mais cara

A cerveja vai se tornar um produto de luxo? Isto é o que é sugerido em um estudo recente que analisou o preço da cevada, o principal ingrediente da cerveja. Devido ao aquecimento global, a produção de cevada diminuirá, levando a uma redução no consumo e a um aumento no preço da bebida alcoólica mais popular do mundo.

O derretimento de gelo, o aumento das temperaturas, o aumento do nível do mar e o aquecimento global têm muitas conseqüências em nosso planeta. É provável que esses fenômenos piorem se medidas importantes não forem tomadas para retardá-los. Se esta perspectiva ainda custa a convencer certas pessoas da importância do combate à mudança climática, uma conseqüência mais inesperada poderia conseguir isso.

Com o aquecimento global, o preço da cerveja aumentará significativamente nos próximos anos. Pelo menos é o que afirma um estudo recente publicado na revista Nature Plants.

Leia também
Robertine, de 96 anos, bebe até 20 cervejas por dia

Menos cevada = menos cerveja

A equipe de cientistas, autora do trabalho, analisou o preço da cevada. Este cereal é um ingrediente essencial na receita da cerveja, a bebida alcoólica mais popular do mundo. No entanto, parece que repetidas ondas de calor e secas, causadas pelo aquecimento global, têm sérias conseqüências para os campos de cevada.

"Dependendo da severidade do clima, a perda média de produção deve ficar entre 3% e 17%", preveem os pesquisadores. E quem fala em declínio na produção, fala em declínio no consumo. A título de comparação, uma queda de 16% seria equivalente ao consumo anual nos Estados Unidos, ou seja, cerca de 29 bilhões de litros.

Em economia, costuma-se dizer que "o que é raro, é caro". Por isso, também devemos esperar um aumento no preço da bebida. Segundo os cientistas, o preço da cerveja poderia ser dobrado. "É de se esperar uma queda drástica no consumo de cerveja (por exemplo, -32% na Argentina), bem como um aumento no preço da cerveja (por exemplo, + 193% na Irlanda)", escreveram eles em seu relatório.

Segundo os pesquisadores, os efeitos serão particularmente sentidos na China, que é o maior consumidor de cerveja do mundo. O país pode ver seu consumo cair 10%, ou seja, mais de 12 bilhões de latas.

Um aumento no preço de pelo menos 15%

Mesmo sob o cenário mais otimista, com um declínio imediato nas emissões de gases de efeito estufa - que não é o caminho que está sendo tomado atualmente, como mostra o último relatório da Giec - menos de 20 grandes eventos meteorológicos extremos devem atingir nosso planeta até o final do século. Seguindo esse cenário - que é, vamos relembrar, o mais otimista - os pesquisadores estimaram que a produção mundial de cerveja cairia 4%, levando a um aumento de preço de 15%.

"Não escrevemos este artigo para encorajar as pessoas a beber mais hoje do que amanhã", afirmou Dabo Guan, co-autor do estudo e pesquisador da Universidade de East Anglia. "O que estamos dizendo é que... se as pessoas ainda quiserem beber uma cerveja assistindo futebol, temos que fazer algo sobre a mudança climática." Será a cerveja, em breve, um produto de luxo?

• Marcos Silva
Leia mais