A carne vermelha processada aumentaria o risco de morte, mesmo em pequenas quantidades

A carne vermelha processada aumentaria o risco de morte, mesmo em pequenas quantidades

É o alerta lançado por uma equipe de cientistas americanos: consumir carne vermelha processada, mesmo em pequenas quantidades, aumentaria o risco de morte por doença cardiovascular. 

Já há algum tempo os estudos científicos denunciam os efeitos negativos da carne vermelha no planeta e na saúde. Câncer, colesterol alto, diabetes, doenças cardiovasculares... a carne é a causa de todo o mal.

Leia também
Um desses pontos de cozimento de carnes é perigoso para a saúde

Uma nova publicação científica reforça o argumento: depois de uma pesquisa feita por um grupo de americanos, a conclusão é que a carne é nociva mesmo em pequenas quantidades. 

"Uma questão fica em suspenso: os efeitos na saúde do consumo reduzido de carne versus os efeitos em uma alimentação totalmente sem carne", declara o Dr. Saeed Mastour Al Shahrani, autor principal do estudo. Para responder a essa pergunta, os pesquisadores analisaram a saúde e hábitos alimentares de 96.000 homens e mulheres, sendo 50% deles vegetarianos. A outra metade consumia carne em pequenas doses.

O fim do regime flexitariano?

As análises também analisaram a morte de 7.900 pessoas. Entre os carnívoros, 90%  consumiam cerca de 50 gramas de carne vermelha processada por dia... Isso equivale a uma fatia de presunto. De acordo com os pesquisadores, 2.600 destas mortes ocorreram por doenças cardiovasculares, cerca de 33%. Mais de 1.800 estavam ligadas a cânceres. Segundo eles, é a prova que é melhor não consumir carne alguma do que consumi-la em pequenas doses. "Os resultados dão mais peso aos estudos que sugerem que o consumo de carne vermelha e transformada poderia ter um impacto negativo na saúde e na expectativa de vida.", conclui Michael Orlich, co-autor do estudo. 

• Raposo Gabriela
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações