Nuvem misteriosa matou milhares de pessoas e animais em Camarões

Nuvem misteriosa matou milhares de pessoas e animais em Camarões

Em 1986, uma nuvem misteriosa matou milhares de pessoas e animais. Até hoje não se sabe ao certo o que pode ter sido a causa do fenômeno.

História macabra

No dia 21 de agosto de 1986, diversas cidades do noroeste de Camarões viveram um terror sem precedentes. Quando acordaram, descobriram que vários de seus vizinhos, amigos e animais haviam morrido de repente durante a noite. Os maiores afetados foram os vilarejos que rodeavam o lago vulcânico de Nyos; nesses locais, não havia sinal de vida e o silêncio pairava tenebroso no ar. Um sobrevivente contou que: "Na manhã seguinte vi que tinha gente jogada na rua. Alguns, mortos. No nosso povoado perdemos muitos, umas 75 pessoas". Porém, o que ele não sabia é que esse número era muito mais alto: naquela noite, 1746 pessoas perderam a vida depois de terem inalado os gases tóxicos que saíam do lago vulcânico. Os animais que viviam ali por perto também acabaram morrendo. 

Mistério

Durante muitas semanas, investigações científicas foram realizadas para entender o que havia ocorrido naquela região. Cientistas de todo o planeta se juntaram para descobrir o mistério que originou as mortes em massa dos povoados camaroneses. O médico Peter Baxter foi entrevistado pela equipe da BBC sobre o ocorrido. Ele chegou no local duas semanas depois da catástrofe e disse que não havia sinais de vida. "Ainda tinha corpos de pessoas e bichos espalhados pelas colinas. Quando chegamos no povoado de Nyos, que tinha pequenas casas de barro, o silêncio era total, não havia sinais de vida. E quando nos aproximamos do lago Nyos, ao qual se alcançava subindo uma pequena colina, vimos que suas águas estavam calmas, mas havia plantas e peixes mortos na superfície e nas margens."

As causas

Os maiores suspeitos de serem responsáveis pela tragédia são justamente o lago de Nyos, situado no topo de um vulcão. No entanto, o mistério é que não havia sinal algum de destruição ou de erupção do vulcão para ter provocado as mortes. "As informações que vinham da região diziam que havia ocorrido uma erupção vulcânica, e que gases vulcânicos tinham sido liberados. Mas havia algo estranho nisso. Porque não houve uma explosão grande causada por uma erupção, ou a devastação que um evento desse tipo teria provocado", continuou o médico Peter Baxter. Mais tarde, os sobreviventes relataram terem sentido um cheiro de ovo podre, característico do dióxido de carbono, e foi aí que os cientistas começaram a achar que ele seria o culpado. Logo, eles descobriram que toneladas do gás foram liberadas pelo vulcão debaixo do lago, e os gases tóxicos atingiram os vilarejos estabelecidos ali por perto.

O dióxido de carbono ficou preso nas águas, mas acabou sendo liberado e lançado no ar. "Alguns dos sobreviventes acordaram com pessoas mortas ao seu redor. Sobreviver ou morrer devido à exposição ao gás foi caso de sorte ou azar.", disse o médico. "O gás te deixa inconsciente rapidamente, e os que sobreviveram sentiram que ficaram inconscientes por muito tempo, mais de 10 horas, até voltarem a si, literalmente até que o gás tivesse dissipado, quando iniciava o dia e o sol começava a aquecer a terra. Mas é uma situação muito incomum, uma história realmente extraordinária", concluiu. Para evitar que a tragédia de 1986 se repetisse, foram instalados tubos no lago para que os gases sejam expelidos de maneira segura e não atinjam os moradores e animais da região.

• De Freitas Agostinho
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações