"Besouro escorpião" é encontrado no interior de São Paulo

"Besouro escorpião" é encontrado no interior de São Paulo

Com ferrões na cabeça, o perigoso inseto pica e é altamente venenoso

O "besouro escorpião"

Normalmente, os besouros são insetos que, apesar do tamanho avantajado de algumas espécies e uma aparência não muito amigável, são inofensivos. Ou pelo menos eram, até que uma descoberta incrível colocou em xeque essa afirmação. Foi descoberto, no interior do estado de São Paulo, um besouro bastante diferente de seus familiares. Chamado de "besouro escorpião", o bicho possui ferrões e produz veneno.

Seu nome científico é Onychocerus albitarsis e foi encontrado pelo zoólogo Antonio Sforcin Amaral, da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Ele foi encontrado nas cidades de Botucatu e Boituva, e recebeu o nome devido aos seus ferrões e venenos.

Picada venenosa

Apesar de já ter sido registrado no Peru, é a primeira vez que um besouro dessa espécie é descoberto no Brasil. De acordo com o zoólogo responsável pela descoberta, o veneno produzido pelo besouro escorpião não é letal, mas provoca dores agudas e intensas no local, além de vermelhidão e muita coceira. Por se tratar de uma descoberta recente, ainda não se sabe ao certo qual a potência exata do veneno; mas de qualquer forma, especialistas aconselham procurar um médico imediatamente caso ocorra uma picada.

Foram registrados no Brasil 3 picadas do besouro escorpião, e segundo o pesquisador, nenhuma delas foi letal. "Houve três casos relatados de picadas desse inseto e nenhum deles há relação com morte", afirmou Antônio. Todos os três registros foram feitos nas áreas rurais das cidades em que o inseto foi encontrado. Nesses casos, os efeitos do veneno do besouro escorpião duraram por mais ou menos 24 horas, com a exceção de um: um homem foi picado mas os sintomas sumiram muito rapidamente. Isso levantou ainda mais dúvidas sobre o efeito da toxina no organismo humano, e o pesquisador afirma que ainda há muito estudo pela frente para decifrar os mistérios do besouro escorpião: "Ainda é necessário mais estudos sobre a composição da toxina e o efeito dela no corpo humano", relatou.

Um besouro único

Se já não é o suficiente um besouro produzir veneno, o besouro escorpião intriga os cientistas devido a uma outra característica: seus ferrões estão localizados na cabeça. De acordo com Antonio, é muito raro encontrar insetos que se utilizam de suas antenas para a proteção, e que ainda produzem toxinas. Segundo o zoólogo, estudar o bicho será um avanço para a pesquisa no Brasil: "Trata-se do único besouro capaz de inocular toxinas no mundo, e entender o processo evolutivo por trás desse fato é importante para estudos de diversas áreas da ciência".

Leia também
Austrália: pescadores descobrem uma estranha criatura flutuando no oceano

Os estudos mostram que o besouro escorpião tem mais ou menos 2 centímetros de comprimento e é bastante fácil de identificar devido às suas cores características, que podem ser branca, marrom, cinza e preta. Seu habitat natural são as florestas tropicais e subtropicais úmidas da América do Sul, encontrado também na Bacia do Rio Amazonas e Mata Atlântica do Brasil e nos países que fazem fronteira, como é o caso do Peru. Ele é o único besouro do mundo que produz veneno e que possui antenas inoculadoras de toxinas, localizadas na cabeça.

Fonte: Uol Imagem: Antonio Sforcin 

Andressa Zabeu
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações