Banksy escolheu a cidade do Porto para "revelar-se"
Banksy escolheu a cidade do Porto para "revelar-se"
Banksy escolheu a cidade do Porto para "revelar-se"
Leia mais

Banksy escolheu a cidade do Porto para "revelar-se"

Escrito por De Freitas Agostinho

Para dar início à notícia teremos sempre que voltar à eterna pergunta, “Mas afinal Quem é Banksy?” A identidade do misterioso artista de rua britânico tem sido um segredo bem guardado desde que emergiu a tendência do stencil.

Ao longo dos anos, várias pessoas tentaram "desmascarar" Banksy, uma obsessão que parece ter dominado o mundo da arte e não só. As teorias que cercam a sua identidade variam do plausível ao absolutamente absurdo. Entre as inúmeras teorias podíamos destacar por exemplo duas. De uma delas consta a possibilidade sobre a verdadeira identidade de Banksy ser um homem chamado Paul Horner. Horner de 35 anos, residente em Liverpool, foi identificado e detido em 2014 como sendo Banksy depois de ser perseguido por policiais Anti-Graffiti e preso por vandalismo, conspiração, extorsão e falsificação.

Por essa altura o publicista de Banksy, Jo Brooks, negou que o artista tivesse sido preso e confirmou que o artigo original era uma farsa publicada por um site de sátiras. A outra refere uma teoria totalmente diferente ainda plausível já que o mistério permanece, e chegou através do documentário da HBO Banksy Does New York.

Nele, o artista de mídia canadense Chris Healey afirmou que Banksy é na verdade uma equipe de sete artistas liderados por uma mulher. Ele afirma tratar-se de uma mulher loura que aparece em cenas que retratam o suposto estúdio de Banksy no documentário Exit Through the Gift Shop (2010).

Entre as teorias e a busca pela descoberta da verdade, adensa-se o mistério sobre a verdadeira identidade do mestre da street art com poucas ou nenhumas certezas para além de uma. Banksy é uma pessoa real, e talvez até não tão interessante quanto seu mito, mas seguramente não é um mito.

É igualmente conhecido o seu desprezo pelo governo que rotula graffiti como vandalismo. Assim, Banksy expõe sua arte em locais públicos como paredes e ruas, e chega a usar objetos para expô-la. Banksy não vende seus trabalhos diretamente, mas sabe-se que leiloeiros de arte tentaram vender alguns de seus graffitis nos locais em que foram feitos e deixaram o problema de como remover o desenho nas mãos dos compradores. Quem não lembra do episódio em que uma de suas obras mais conhecidas se autodestruiu após ser vendida em leilão? Mistérios e curiosidades à parte eis que chega uma realidade irrefutável.

Banksy “está” agora na cidade do Porto e não há como perder a oportunidade de ver de perto alguns dos seus trabalhos e conhecer melhor a sua obra. Até 31 de Março, a Alfândega do Porto acolhe a exposição Banksy’s, Dismaland and Others.

Esta imperdível visita guiada chega-nos pelas mãos do fotografo britânico Barry Cawston, com retratos de Dismaland - um “parque de estupefacções” sombrio, anti-Disneylândia - e outras peças do artista.

Convém esclarecer que Barry Cawston não é o fotógrafo oficial de Banksy. Ou assim ele diz. Ao “acreditar” na sua versão dos fatos, ele afirma que nem tão pouco o chegou a conhecer. “Acho que estou a chegar perto. Ele não tem muitos parceiros oficiais, certamente”, declarou animado o fotógrafo inglês que viu algumas das imagens que tirou, agora em exposição na Alfândega do Porto, irem parar no site oficial do artista urbano. “A verdade é que quanto mais me aproximo, mais suspeito tudo parece.” Teorias à parte, fique com a certeza: Não pode perder esta exposição.

Faça um investimento seguro de 11 € e desfrute da possibilidade de partilhar um pouco mais deste inquietante universo de Banksy.

(Fonte: publico.pt /Imagem: André Rodrigues)


En plus
Sem Internet
Verifique suas configurações