Baleia pré-histórica de quatro patas é descoberta no Peru

Baleia pré-histórica de quatro patas é descoberta no Peru

O fóssil descoberto de aproximadamente 42,6 milhões de anos possibilita completar a linha evolutiva das baleias.

A “baleia” quadrúpede que foi reconstituída teve seu fóssil descoberto no deserto de Playa Media Luna, no Peru, a 250 km ao sul da capital, Lima, e a 1000 metros do litoral do pacífico. Cavando ao seu redor, paleontólogos descobriram em primeiro lugar a sua mandíbula inferior, com dentes, vértebras, costelas, partes das patas da frente e de trás e até mesmo seus longos dedos, que eram, sem dúvidas, palmados, segundo os relatos da equipe.

Aos poucos, cautelosamente, o fóssil bem conservado de um ancestral anfíbio e quadrúpede das baleias contemporâneas saiu de baixo da terra. A descoberta, descrita em um estudo publicado no último dia 4 de abril (quinta-feira) na revista especializada Current Biology, surge em boa hora para completar os conhecimentos sobre a transição dos grandes mamíferos marinhos da terra para o oceano.

Há 50 milhões de anos, os antigos ancestrais das baleias e dos golfinhos viviam na terra, na região atual da Índia ao Paquistão. Paleontólogos descobriram também na América do Norte fósseis parciais que remontam a 41,2 milhões de anos, que fazem pensar que naquela época esses cetáceos já tinham perdido a capacidade de se levantarem e de andarem em terra firme.

O novo espécime encontrado no Peru é de 42,6 milhões de anos e aparece completando a tabela de evolução dos cetáceos. O estudo de sua anatomia poderia indicar que esse mamífero de cerca de 4 metros de comprimento podia tanto nadar como andar.

O paleontólogo Olivier Lambert, do instituto real de ciências naturais da Bélgica comentou impressionado com a descoberta “Parte das vértebras da cauda mostram boas similaridades com as dos mamíferos semi-aquáticos atuais como as lontras”, explicou. “Teríamos assim um animal que teria começado a utilizar progressivamente a cauda para nadar, o que o diferencia de formas anteriores indianas e do Paquistão”, completou.

Fragmentos de baleias quadrúpedes já foram encontradas no Egito, no leste do Sahara, no Senegal, no Togo e na Nigéria. Entretanto, a forma em que esses fósseis foram encontrados era tão fragmentada que não foi possível chegar a um ponto de vista conclusivo se os animais podiam ou não nadar.

Caso se afirmar que a baleia encontrada essa semana no Peru podia nadar igual uma lontra, os pesquisadores já preparam uma hipótese que ela teria, sem dúvidas, atravessado o oceano Atlântico entre a costa oeste da África e da América do Sul. Os “continentes”, que, na verdade, eram massas de terra até então, eram duas vezes mais próximas do que são hoje, com apenas 1 300 km de água os separando. A corrente que ia do leste a oeste poderia ter ajudado os grandes animais a cruzarem a extensão.

Leia também
Imagens de um enorme tubarão-tigre capturado na Austrália comovem a internet

Essa descoberta pode, assim, eliminar a hipótese de que as baleias teriam chegado na América do Norte pela Groenlândia. A bacia de Pisco, no litoral sul do Peru, ainda guarda inúmeros fósseis, em estados de conservação excelentes, que, de acordo com Olivier Lambert, representam “trabalho para pelo menos 50 anos”.

Fonte: Le monde

Imagem: Alberto Gennari/Reuters

Gouvea Aline
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações