Brasileiros criam pomada contra picada mortal de aranha

Brasileiros criam pomada contra picada mortal de aranha

Cientistas brasileiros desenvolveram pomada contra picada de aranha-marrom.

Pequena mas mortal

Ao contrário da aranha Goliath, uma das maiores do mundo, a aranha-marrom é pequena: seu tamanho pode variar de 0,6 mm até 2 cm. Porém, ela é uma das aranhas mais letais do mundo e sua picada causa danos muito severos. Ela é também a responsável pelo maior número de picadas no Brasil: são em média 7 mil pessoas picadas por ela todos os anos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação , o Sinan, criado pelo Ministério da Saúde. Seu veneno destilado causa falência renal, necrose na pele e pode causar até a morte.

Pomada contra os efeitos nocivos da aranha-marrom

Leia também
A maior aranha do mundo surpreende cientista no meio da floresta

Um grupo de cientistas brasileiros do Instituto Butantan criou uma pomada que ameniza todos esses efeitos nocivos causados pela picada da aranha-marrom. Em entrevista ao canal de notícias da BBC, a cientista Denise Tambourgi, principal responsável pelo andamento das pesquisas, disse que o princípio ativo da pomada é à base da tetraciclina, um composto já usado em antibióticos. Porém, a quantidade usada é um pouco menor do que este tipo de medicamento: "Utilizamos numa concentração abaixo da que seria microbicida, no entanto", disse ela na entrevista. "Ou seja, menor do que a necessária para ser considerado antibiótico. Mas a empregamos em uma dosagem capaz de interferir na atividade da esfingomielinase D, proteína que é o componente principal do veneno da aranha e que está envolvida no processo de inflamação e de destruição do tecido (necrose) e outros efeitos", explicou Denise mais detalhadamente.

Em 80% dos casos de picada da aranha-marrom, as vítimas apresentaram necrose cutânea; porém, os 20% restantes também apresentaram destruição dos glóbulos vermelhos do sangue (hemólise), coágulos nos vasos sanguíneos que atrapalham a circulação (agregação plaquetária), falência renal e até mesmo a morte. "Costumo dizer que o veneno só dá o 'start' e a proteína altera as células. Depois, ocorre uma desregulação do organismo, que leva à produção de proteases - enzimas cuja função é quebrar as ligações químicas de outras proteínas, o que, por sua vez, causa a morte celular e a necrose. São essas proteases, portanto, que devem ser inibidas pela pomada". Em suma, os cientistas brasileiros desvendaram como o veneno atinge as células e desenvolveram uma pomada capaz de impedir este procedimento.

Testagem

Os testes de verificação de eficácia da pomada foi feito em células de pele humana e também de animais. Desde 2005, a equipe está testando o efeito da pomada e os resultados foram sempre cada vez mais positivos. Denise explicou também como foram realizadas as testagens: "Realizamos vários experimentos, aplicando o veneno da aranha-marrom nas culturas. Como esperávamos, as células morriam. Depois, as expomos à toxina e à tetraciclina, em várias dosagens, ao mesmo tempo. Constatamos, então, que o veneno não era mais capaz de matar as células". Após a testagem com células humanas, foram usados coelhos no procedimento, já que a lesão sofrida por eles é muito parecida com a dos humanos. Injetamos o veneno na pele deles e depois de algumas horas começamos a tratá-los com uma pomada que continha tetraciclina e lanolina. Esta última entrou na composição porque é capaz de levar a droga para as camadas mais profundas da pele". Os resultados foram muito bons, e os testes passaram a ser feitos em seres humanos. 

• De Freitas Agostinho
Leia mais
Sem Internet
Verifique suas configurações