A maior aranha do mundo surpreende um cientista em plena floresta

A maior aranha do mundo surpreende um cientista em plena floresta

Enquanto explorava uma floresta à noite na Guiana, o entomologista Piotr Naskrecki deu de cara com uma aranha enorme. Era a aranha Goliath, conhecida como a maior aranha do mundo. 

Aventurar-se em uma floresta tropical pode proporcionar encontros impressionantes e Piotr Naskrecki não dirá o contrário. Esse entomologista do Museu de Zoologia Comparada da Universidade de Harvard costuma observar os insetos em seu habitat natural. Mas um dia a exploração tomou um rumo inesperado, como ele conta em seu blog. 

Há alguns anos, enquanto explorava de noite uma floresta na Guiana, Piotr Naskrecki ouviu um barulho suspeito: "Eu escutei barulhos, estava em uma escuridão completa quando eu ouvi um animal caminhando. Eu podia ouvir claramente as patas batendo no chão e as folhas secas movendo-se sob os pés", contou o entomologista. Ele pensou que era um pequeno mamífero como um rato mas não era o caso. "Quando eu liguei a lanterna, eu não entendi bem o que estava vendo", prosseguiu. "A criatura escura e aveludada parecia tão grande quanto um rato mas em um segundo olhar eu entendi que não era um roedor. Um corpo dotado de oito patas começou a se desenhar: era uma aranha Goliath."..

Leia também
Ela faz uma descoberta terrível ao querer comer uma banana

 A maior do mundo

A aranha Goliath, conhecida igualmente com o nome de tarântula de Leblond (Theraphosa blondi) é uma aranha de dimensões impressionantes. As patas podem chegar a 30 centímetros, "como um antebraço de uma criança", e seu corpo é tão largo quanto um "grande punho", segundo Piotr Naskrecki, da LiveScience. A aranha pode chegar a 170 gramas, o mesmo que um "jovem filhote de cachorro". Obviamente, as medidas deram à aranha Goliath o título da maior aranha do mundo, reconhecido pelo Guinness World Record.

"Por causa desse tamanho monstruoso, a aranha é provavelmente a única do mundo a fazer barulho quando se move. Suas patas possuem as extremidades endurecidas e garras que fazem um barulho de clique muito específico", comentou em seu blog. Mas não é o único barulho que essa aranha repulsiva fez. Quando Piotr Naskrecki aproximou-se da espécie, ela começou a bater as patas contra o abdômen. "Como é fofa!, pensei ao ver o comportamento adorável, até que uma nuvem de cerdas urticantes chegaram a meus olhos, começou tudo a coçar e eu fiquei chorando por dias", explicou. 

Técnicas temíveis

A aranha Goliath é especialmente talentosa quando trata-se de atacar ou defender. O ataque observado pelo entomologista é geralmente um primeiro aviso. Ela bombardeia o intruso para aproximar-se com vantagem. Mas o aracnídeo tem uma outra arma: ganchos de mais de dois centímetros. Venenosa, a tarântula de Leblond fabrica uma substância neurotóxica mas ela não é mortal para o homem. Mas os ganchos podem causar ferimentos muito dolorosos. "Seria como um prego na sua mão", indica o entomologista. Mas mesmo se ela mordesse, "uma galinha poderia provavelmente causar mais estragos", confirmou.

Segundo um estudo feito em 2005, o tamanho gigantesco da aranha Goliath, que é ativa somente à noite, é devido ao metabolismo mais lento que os seus primos que reduz a sua necessidade de oxigênio. De toda a forma, as suas medidas permitem a aranha de atacar presas de tamanho considerável.   

Tudo o que se passa nos ganchos

Apesar do nome de "bird-eater" ("comedor de pássaros" em português), a aranha não come pássaros. Mas ela pode matar pequenos mamíferos, normalmente roedores e também sapos e insetos,  muitas vezes maiores que ela. "Ela ataca tudo o que ela encontra", afirma o entomologista.  Segundo  ele, a presa ideal seriam as que vivem próximas da terra, que saem ao sol quando está muito úmido. " As minhocas são super nutritivas", acrescentou.

As fêmeas da espécie podem passar de 10 anos de idade e as aranhas Goliath não são tão frequentes. Depois de 15 anos explorando as florestas da América do Sul, Piotr Naskrecki encontrou apenas três. "Dois ou três anos depois do primeiro encontro com a Theraphosa blondi, eu estava novamente na América do Sul, caminhando sozinho na noite na floresta tropical do Suriname. De repente, meu pé encostou em algo grande e que se mexia. Eu fiquei parado, esperando uma serpente. Mas não, era apenas uma outra aranha Goliath", concluiu. 

• Marcos Silva
Leia mais