Síndrome de Lynch: sintomas, diagnóstimo e prevenção

Síndrome de Lynch: sintomas, diagnóstimo e prevenção

A síndrome de Lynch é uma doença hereditária rara que afeta homens e mulheres. Pessoas com esta síndrome apresentam maior risco de desenvolver câncer colorretal, do útero ou do ovário antes dos 50 anos de idade.

O que é síndrome de Lynch

A síndrome de Lynch é uma doença genética hereditária transmitida de modo autossômico. Uma criança que tenha um dos pais atingidos pela síndrome tem 50% de um risco de também ser afetado.

Também chamado de câncer colorretal hereditário não-poliposo, a síndrome de Lynch é responsável por cerca de 2 a 5% dos casos de câncer colorretal. O risco de um homem com síndrome de Lynch desenvolver esse tipo de câncer é muito maior do que da população em geral. Nas mulheres, o risco de contrair um câncer do útero também é maior. Em pessoas com síndrome de Lynch, esses cânceres geralmente ocorrem em uma idade mais precoce, geralmente antes dos 50 anos, no caso do câncer colorretal.

A síndrome de Lynch é causada por uma mutação genética. Esta anomalia afeta um dos quatro genes que controlam e corrigem os erros que ocorrem durante a replicação do DNA na fase da divisão celular.

Como detectar a síndrome de Lynch

Como a síndrome de Lynch é hereditária, os médicos usam os chamados critérios de Amsterdã para determinar se uma mutação genética está presente na mesma família. Há suspeita de síndrome de Lynch se pelo menos três familiares tiverem câncer colorretal, do intestino delgado, do endométrio (útero), do rim, do estômago ou do ovário, e se um desses familiares estiver ligado aos outros dois por um laço de primeiro grau (pai, mãe, irmão, irmã, filho).

Também é necessário que estes cânceres sejam observados ao longo de duas gerações sucessivas e que pelo menos um dos pais tenha câncer antes dos 50 anos de idade. Uma pessoa com síndrome de Lynch geralmente é cercada por uma família com muitos membros que tenham desenvolvido câncer colorretal ou outro câncer relacionado à síndrome.

Para alguém em risco, é possível diagnosticar a síndrome de Lynch por meio de testes genéticos. Esta triagem irá confirmar uma suspeita de síndrome de Lynch no paciente e determinar se outros membros da família também estão em risco.

Prevenção e tratamento de cânceres relacionados com Lynch

Quando o diagnóstico da síndrome de Lynch é confirmado por testes genéticos, o paciente deve ficar muito atento às recomendações de seu médico. A prevenção geralmente é a chave para reduzir o risco de câncer e, principalmente, para detectá-lo em estágio inicial.

Um homem com síndrome de Lynch geralmente deverá passar por testes para detecção do câncer colorretal já aos 20 ou 25 anos de idade, enquanto na população em geral, os exames para este tipo de câncer são recomendados a partir dos 50 anos de idade. O paciente também deve se submeter a uma colonoscopia com maior frequência, ou seja, de 1 a 2 vezes por ano, sendo que uma cirurgia profilática pode ser considerada em alguns casos. A operação consiste em remover elementos anormais benignos, como pólipos intestinais, a fim de evitar o surgimento de um tumor maligno.

Nas mulheres, o exame para câncer de útero e câncer de ovário também deve ser feito em uma idade mais precoce. Os procedimentos cirúrgicos envolvendo remoção do útero (histerectomia), colo do útero, trompa de Falópio ou ovário também podem ser propostos em alguns casos. A histerectomia é uma grande operação que pode ser difícil para muitas mulheres porque elas nunca mais poderão engravidar.

• Marcos Silva