Mioma

Os miomas uterinos são tumores benignos situados no útero. Eles são muito frequentes e podem ser bastante debilitantes. Quais são os sintomas e o tratamento?

O que é o mioma uterino?

Os miomas, ou fibromas, uterinos são tumores benignos (não cancerosos) que se desenvolvem no útero. Trata-se de um distúrbio frequente que atinge entre 20% e 50% das mulheres. O tamanho, o número e a localização dos fibromas variam de uma mulher para outra. De maneira geral, eles podem ser tanto microscópicos quanto atingirem o tamanho de um melão.

É possível identificar três tipos de fibromas uterinos de acordo com a localização. Os fibromas intramurais, que se formam no interior do músculo da parede do útero, representam a maioria dos casos (70%). Já os fibromas subserosos se desenvolvem na parte externa do útero e podem estar ligados por um pedículo (estrutura alongada que liga um órgão a um tumor). Por fim, os fibromas submucosos surgem dentro da cavidade uterina e se formam sob o endométrio.

Geralmente assintomáticos, os fibromas uterinos podem, no entanto, ser bastante debilitantes e provocar complicações como, por exemplo, sangramentos abundantes.

Sintomas do mioma uterino

Apenas cerca de um terço dos miomas uterinos provocam sintomas. Os mais frequentes são menstruação prolongada e mais abundante (menorragia), sangramentos fora da menstruação (metrorragias), dores e pressão na região do ventre e dores durante as relações sexuais.

Os miomas também podem pressionar a bexiga, provocando vontade frequente de urinar e perdas involuntárias de urina, ou o intestino, causando gases e constipação.

Em alguns casos, os fibromas uterinos provocam complicações como hemorragias e até anemia. Além disso, apesar de geralmente não afetarem a fertilidade, podem bloquear as trompas de falópio e prejudicar a passagem do esperma.

Causas do mioma uterino

As causas da aparição dos fibromas uterinos são ainda pouco conhecidas e estão associadas a uma série de fatores. O fibroma parece ter origem em uma célula que sofreu uma mutação e se multiplicou de forma descontrolada. Pesquisas demonstraram uma ligação, direta ou indireta, entre certos hormônios femininos (estrogênio) e o crescimento celular. Igualmente, a predisposição genética e a ausência de filhos exercem uma influência.

Tratamento do mioma uterino

Por ser benigno, o fibroma uterino não requer tratamento quando é assintomático. Caso contrário, o tratamento a ser adotado depende da idade da pessoa, de seu desejo de ter filhos, da gravidade dos sintomas, assim como do tamanho e localização dos fibromas.

Um tratamento medicamentoso pode ser prescrito para combater os sintomas. Ele permite reduzir os sangramentos e normalizar o ciclo menstrual, mas não tem efeito sobre o volume dos fibromas.

Apenas uma intervenção cirúrgica oferece uma solução definitiva. Existem diversas operações possíveis. A miomectomia consiste em retirar os fibromas conservando o útero e permite uma gravidez futura, mas existe risco de recidiva (15 a 20% dos casos). Já a histerectomia consiste na retirada do útero e é reservada para casos mais sérios e para mulheres que não desejam ter filhos.

Publicado por -