Lidl agora vende cannabis em seus supermercados

Lidl agora vende cannabis em seus supermercados

Lidl começou há pouco tempo a comercializar uma substância que hoje é ilegal na maior parte dos países do mundo.  E as vendas estão superando todas as expectativas

O debate debate sobre a legalização da maconha tem anos. O fato  é que cada vez mais países decidem permitir o uso desta planta para seu uso tanto medicinal como para consumo próprio. Entre eles está o Canadá, que votou há pouco tempo que a maconha fosse legalmente admitida no país. 

Do outro lado, outros países nem seguer abrem o debate e o tema segue sendo um tabu. Mas a realidade mostra outro cenário. Muitas pessoas consomem a substância diariamente, mesmo sendo ilegal. 

O consumo de maconha na Europa

Muitas redes de supermercados de países da União Européia começaram a colocar o produto em suas prateleiras, como é o caso do Lidl na Suíça, cuja sessão de alimentos orgânicos inclui cannabis da companhia "The Botanicals". Em todos os casos, as quantidade de tetrahydrocannabinol (THC), o composto químico psicoativo da maconha, encontra-se em porções muito pequenas. Em substituição, encontra-se o cannabidiol (CBD), cujas propriedades são associadas ao uso medicinal.

 Os números do consumo de maconha no Brasil

Muitos estudiosos afirmam que a legalização da maconha na Brasil poderia supor que a sociedade adapte-se ao seu uso como algo normal como hoje acontece com o álcool e tabaco, drogas legais no país. O uso da maconha e a discussão sobre a legalização ainda são assuntos polêmicos no Brasil.

A maior área de plantação de maconha no Brasil, conhecida como “Polígono da Maconha”, abrange 13 cidades da Bahia e de Pernambuco, às margens do Rio São Francisco. Quarenta e cinco mil pessoas estão envolvidas no plantio da maconha na região, segundo Paulo Fraga, sociólogo da Universidade Federal de Juiz de Fora.A maconha é plantada em ilhas que pertencem à União. “Acredita-se que o Polígono da Maconha hoje seja responsável por 40% do consumo da maconha no Brasil”, diz o advogado Paulo César de Oliveira, da reserva da Polícia Militar.

Paulo César faz parte de um grupo de policias militares, promotores e juízes que defendem a legalização das drogas: “Eu não vejo outra solução para tanto encarceramento e morte”. Quase 190 mil pessoas estão presas no Brasil por tráfico de drogas. É um terço da população carcerária.

• Marcos Silva
Leia mais